17:10 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente russo Vladimir Putin e seu colega francês Emmanuel Macron

    Presidente da França reforça importância da Rússia no conflito sírio

    © Sputnik / Alexey Nikolsky
    Europa
    URL curta
    140

    O presidente francês disse ser importantíssimo colaborar com Rússia para encontrar solução do conflito militar na Síria.

    "A Rússia é nossa parceira. Temos que trabalhar com ela", anunciou Macron em entrevista à emissora CNN. Ele adicionou ser impossível resolver o conflito sírio sem a Rússia, reforçando que o assunto em questão é prioridade tanto para Rússia como para a França.

    De acordo com Macron, uma parceria construtiva com a Rússia é essencial "para funcionamento do ambiente global", não esquecendo mais uma questão que deve ser decidida juntamente com ela: a ameaça provida da Coreia do Norte.

    Essa não é a primeira vez que o governo francês expressa sua prontidão de trabalhar junto com a Rússia na resolução do conflito sírio. Antes, um membro do Comitê para defesa do parlamento francês disse que a Europa tem que aumentar o envolvimento militar na luta contra as organizações terroristas na Síria em coordenação com a Rússia. Segundo ele, a Rússia desempenhou um papel positivo na Síria, em especial no combate conjunto com o exército sírio contra o Daesh.

    O conflito na Síria entre as forças governamentais do presidente Bashar al-Assad e vários grupos de oposição e militantes continua desde o ano de 2011. A comunidade internacional tem realizado uma série de ações para eliminar o conflito através de negociações pacíficas, incluindo as de Genebra e Astana.

    Mais:

    Encontro entre líderes de Rússia, Alemanha e França dá fôlego à solução da crise ucraniana
    O que fará Rússia após fim vitorioso da guerra na Síria?
    Ministério da Defesa russo revela novos métodos de luta contra Daesh na Síria
    Tags:
    organizações terroristas, conflito sírio, resolução, ONU, Emmanuel Macron, Vladimir Putin, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik