02:49 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    As bandeiras estreladas que simbolizam independência da Catalunha durante os protestos de setembro de 2014, Barcelona, Espanha

    Independência da Catalunha: imprensa espanhola vê 'dedo' do Kremlin

    © AP Photo / Emilio Morenatti
    Europa
    URL curta
    Referendo independentista na Catalunha (66)
    26515

    O portal de notícias espanhol El Confidencial acusou a Rússia de tentar "dividir a Espanha" e tentou demonstrar os laços entre Moscou e a intenção da Catalunha de realizar o referendo sobre independência.

    Os autores do artigo publicado por El Confidencial afirmam que Kremlin "há anos mexe na ferida da luta catalã pela independência", pois isso "faz parte da estratégia para enfraquecer a União Europeia". Segundo os jornalistas espanhóis, a Rússia age com ajuda do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que "desde 9 de setembro publicou dezenas de tuítes de apoio ao separatismo catalão".

    O portal concluiu tudo isso com base em uma reunião de Assange com o congressista norte-americano, Dana Rohrabacher, que por sua vez, na década de 1990, "conheceu Putin". Já em abril de 2017, Rohrabacher se encontrou com Carles Puigdemont, presidente regional da Catalunha.

    Apesar disso, mesmo o autor do artigo reconhece não haver provas concretas "de que a Rússia está por trás do apoio de Assange à causa do separatismo catalão".

    Os leitores do El Confidencial ridicularizaram o "jornalismo investigativo" do portal.

    "Sério? Um adulto escreveu isso para outros adultos? O homem é uma criatura realmente surpreendente", escreveu um dos leitores nos comentários ao artigo.

    "Primo do amigo da namorada do vizinho do Putin foi visto no supermercado na companhia do amigo de infância do motorista do Puigdemont. Que notícia!", ironizou outro leitor.

    Um comentário classificou a matéria de "paranoia no estilo de Hillary [Clinton]".

    O advogado e cientista político espanhol, David Romero Díaz, em entrevista à Sputnik Mundo, afirmou que o artigo do El Confidencial "foi somente mais uma gota no mar de despropósitos e notícias falsas, nas quais a Rússia e Vladimir Putin em especial são acusados de todos os males da Terra". 

    O especialista destacou que a Rússia não está relacionada de modo algum com o separatismo catalão. Ele também lembrou que "os separatistas catalães sempre receberam apoio do assim denominado bloco ocidental". 

    O jurista lembrou que o ex-premiê da Letônia e atual vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, manifestou seu apoio ao reconhecimento da independência da Catalunha. Segundo Díaz, existem também fatos, que confirmam a participação do magnata norte-americano, George Soros, no atual conflito catalão. 

    Já o doutor de ciências políticas, José Luis Orella, declarou à Sputnik Mundo que se trata de mais uma tentativa de "desprestigiar a Rússia na arena internacional", um país que "goza atualmente de muitíssimas simpatias" entre os espanhóis. 

    "É uma forma de eliminar os apoios ou simpatias à Rússia, em um momento no qual o seu presidente goza de uma invejável admiração internacional", apontou o interlocutor da agência.

    O especialista não excluiu a possibilidade dos EUA se aproveitarem das ânsias separatistas dos nacionalistas.

    "Com a saída da Grã-Bretanha da UE, a França e a Alemanha ficam em uma posição dominante. E a Espanha cobra agora um peso maior nos processos decisórios da Europa. Uma Espanha debilitada, entretanto, terá menos peso nesse sentido", alertou o professor.

    Tema:
    Referendo independentista na Catalunha (66)

    Mais:

    Mais de 700 prefeitos se reúnem em Barcelona pela independência catalã
    Apesar de ataques terroristas, Catalunha mantém plano de referendo sobre independência
    Especialista: atentados em Barcelona reduzirão o apoio à independência da Catalunha
    Tags:
    política internacional, independência, paranoia, José Luis Orella, David Romero Díaz, Carles Puigdemont, Julian Assange, Catalunha, Espanha, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar