03:05 24 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Frank-Walter Steinmeier, ministro de Relações Exteriores da Alemanha

    'Não permitamos mais a inimizade cega contra a Rússia', pede presidente da Alemanha

    © AP Photo/
    Europa
    URL curta
    20321

    Em um discurso em Tallin, na Estônia, o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier relembrou a história do seu próprio país para criticar a “russofobia” que toma conta de governos de outras nações, em referência a um sentimento de inimizade para com Moscou.

    "Entre as lições que [os alemães] tiramos da nossa própria história […] se encontra a responsabilidade de não permitir nunca mais um silêncio ou uma inimizade cega contra a Rússia", destacou Steinmeier.

    "Em que pesem todas as dificuldades atuais, sobre as quais se pode escrever um livro inteiro, esta é uma das lições que tiramos da história", emendou o presidente alemão.

    Na última semana, Steinmeier realizou um giro por três países bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia), onde se reuniu com autoridades locais. Em pronunciamentos concedidos em cada um dos três países, o alemão abordou tanto as relações bilaterais destas nações com Berlim, assim como futuro do Báltico na União Europeia e na OTAN.

    Não é a primeira vez que Steinmeier se pronuncia a favor de uma melhora das relações com a Rússia. Em 2016, quando era ministro de Relações Exteriores da Alemanha, ele criticou as manobras da OTAN na Europa Ocidental.

    "Não deveríamos agravar a situação com o ruído de sabres e gritos de guerra", comentou à época ao jornal alemão Bild am Sonntag.

    Mais:

    Putin critica 'russofobia' da Ucrânia e desmente interferência nas eleições da Alemanha
    Russofobia do Ocidente teria ajudado China a virar potência global?
    Culpa da Rússia: sátira fina sobre russofobia nas grandes mídias ocidentais
    Tags:
    relações bilaterais, países bálticos, russofobia, diplomacia, OTAN, União Europeia, Frank-Walter Steinmeier, Lituânia, Letônia, Estônia, Rússia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik