17:19 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    024
    Nos siga no

    A Ucrânia ainda não está pronta para se juntar à OTAN, nem a aliança está pronta para recebê-la como um novo membro no momento, disse à emissora ucraniana Pryamoi o representante especial dos EUA para as negociações com Kiev, Kurt Volker.

    Volker disse na entrevista exibida neste sábado que, em sua opinião, o país ainda não estava preparado, em parte por questões de segurança, e que a Ucrânia não está perto de receber um convite para se juntar à organização.

    Ele também disse que a decisão de se juntar à aliança seria de Kiev, dependeria de um entendimento conjunto entre Bruxelas, Washington e Moscou sobre a Ucrânia ser um país independente, o que torna impossível dizer quando a adesão poderia acontecer.

    O representante especial dos EUA observou que geralmente leva muito tempo para a OTAN fazer um convite a um país para participar do bloco, acrescentando que a Ucrânia poderia realizar todas as reformas necessárias para se unir à organização.

    Na quinta-feira, o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, disse, em uma reunião conjunta com o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, que os EUA valorizaram o compromisso da Ucrânia de reformar o seu setor de defesa para cumprir os padrões da OTAN, e que estava ansioso pela a implementação dessas mudanças.

    Em julho, Poroshenko assinou um projeto de lei aprovado pelo Parlamento em 8 de junho, garantindo a aspiração do país para se unir à OTAN como uma prioridade da política externa de Kiev.

    Volker disse que Mattis trouxe certos equipamentos de defesa para as forças armadas ucranianas durante sua recente visita ao país. O secretário de Defesa dos EUA disse, no briefing com Poroshenko, que os EUA estavam pensando em fornecer armas letais à Ucrânia.

    Rússia vê possibilidade com ressalvas

    O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, disse à Sputnik Radio no início de agosto que as entregas de armas letais desestabilizariam a situação na Ucrânia, em particular na região sudeste do país.

    O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que tais entregas não contribuiriam para a resolução pacífica do conflito entre Kiev e as duas repúblicas autoproclamadas no sudeste da Ucrânia. O presidente do Comitê Militar da OTAN, o general Petr Pavel, disse em 2016 que as entregas de armas letais só aprofundariam o sofrimento das pessoas apanhadas no conflito.

    Volker disse que os Estados Unidos e a União Européia tinham posições semelhantes sobre o conflito no sudeste da Ucrânia e que nem reconheceria a reunificação da Crimeia com a Rússia.

    Em 2014, mais de 90% dos moradores da península votaram para se juntar à Rússia em um referendo. No entanto, Kiev se recusou a reconhecer os resultados da votação.

    Volker observou que a Ucrânia estava certa em abandonar o seu arsenal nuclear e disse que não queria que Kiev retomasse um programa nuclear. De acordo com o representante especial, a Ucrânia poderia restaurar a sua soberania aperfeiçoando o seu sistema de segurança. Volker também disse que as autoridades ucranianas precisam discutir o futuro dos ucranianos no leste do país.

    O representante especial dos EUA acrescentou que o estabelecimento de um clima comercial favorável na Ucrânia seria um desenvolvimento muito bem vindo.

    Por fim, Volker também disse que os exercicios conjuntos russo-bielorrussos Zapad-2017, atividades de uma semana programadas para começar em 14 de setembro, exigem aos países ocidentais que estejam preparados para qualquer desenvolvimento e trabalhem no seu sistema de segurança.

    Mais:

    Donbass: Ucrânia está se preparando para violar trégua
    Mattis e Poroshenko conversam sobre envio de armas para 'defender' a Ucrânia
    Presidente da Ucrânia pretende reaver Donbass e Crimeia por meios pacíficos
    Tags:
    Ucrânia, Leste da Ucrânia, Sudeste da Ucrânia, Rússia, Estados Unidos, James Mattis, Pyotr Poroshenko, Kurt Volker, Sergei Ryabkov, Dmitry Peskov, Petr Pavel, OTAN, defesa, segurança, diplomacia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar