00:19 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    134
    Nos siga no

    A UE está preocupada com o fato de o processo de paz irlandês poder ser utilizado pelo Reino Unido como barganha nas negociações da Brexit.

    A União Europeia criticou na sexta-feira o documento do Reino Unido sobre a fronteira pós-Brexit com a Irlanda. O bloco alertou contra o uso do processo de paz na Irlanda do Norte como um "barganha" nas negociações sobre a retirada do Reino da UE.

    Na quarta (16), o governo do Reino Unido publicou um documento de política abrangente, que, entre outras questões, exigia o retorno de "uma fronteira dura" sobre os movimentos de bens a serem evitados, o que significa que não deveria haver infraestrutura física ao longo da fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte.

    "O que vemos no papel do Reino Unido é um grande pensamento mágico sobre como a fronteira poderia funcionar. O documento do Reino Unido é muito bom em aspirações, mas curto em soluções viáveis", disse um alto funcionário da UE a jornalistas, conforme citado pelo jornal The Independent.

    "A decisão de sair foi do Reino Unido, não da Irlanda e não da UE. O Reino Unido tem de se responsabilizar por isso", disse o funcionário.

    A fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte é uma das principais questões da agenda das negociações de Brexit, uma vez que a retirada de Londres do bloco de 28 países pode criar dificuldades para a livre circulação de mercadorias e trabalhadores em toda a fronteira irlandesa, bem como para a situação com os migrantes.

    Mais:

    May: Europa deve pagar pelo Brexit
    Por que o Brexit e a aliança de May podem reabrir velhas feridas na Irlanda?
    Chanceler britânico: fatura do Brexit é exorbitante
    Imprensa: França planeja 'destruir' o setor financeiro britânico depois do Brexit
    Líder do Brexit diz que Venezuela está 'a beira do desastre'
    Tags:
    União Europeia, The Independent, Londres, Irlanda, Irlanda do Norte, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar