17:35 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Um carro da polícia perto da Hamburg Messe, foto de arquivo

    Turista dos EUA é agredido por fazer saudação nazista na Alemanha

    © REUTERS/ Hannibal Hanschke
    Europa
    URL curta
    9114

    Um cidadão dos Estados Unidos de 41 anos foi agredido por um um transeunte no sábado (12), no centro de Dresden, na Alemanha, depois de fazer repetidas vezes a saudação nazista.

    De acordo com registros policiais, o turista estadunidense estava extremamente alterado, de acordo com seu alto nível de álcool no sangue. O agressor do turista escapou do local e está sendo procurado por lesão corporal. 

    Já o agredido — cuja identidade é mantida em sigilo — está sendo investigado por violar a lei alemã que proíbe símbolos nazistas. O turista dos EUA pode enfrentar até três anos de prisão como punição, embora os tribunais locais costumem aplicar multas em réus primários. 

    A saudação nazista foi banida na Alemanha após a Segunda Guerra Mundial. 

    Esta é a segunda vez no mês que turistas são presos por demonstrações ligadas ao nazismo. Uma semana atrás, dois chineses foram multados em cerca de US$ 600 cada um depois de dar saudações nazistas em frente ao Reichstag, o parlamento federal da Alemanha.

    Em 2011, um canadense de 30 anos de idade foi detido e multado pelo mesmo motivo. 

    Também em agosto, o Supremo Tribunal da Suíça condenou um homem que foi fotografado dando a saudação nazista em frente a uma sinagoga em Genebra.

    Mais:

    Alemanha e França planejam criar um exército europeu independente, diz jornal
    Tiroteio em clube noturno na Alemanha, há 1 morto e 3 feridos
    Alemanha pede 'resposta conjunta clara' ao lançamento de míssil da Coreia do Norte
    Vitória sobre a Alemanha nazista será oficialmente comemorada no dia 9 de maio em Israel
    Alemanha está preocupada com novas sanções dos EUA contra a Rússia
    Mídia: Alemanha propõe ampliar sanções antirrussas devido ao escândalo em torno da Siemens
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik