01:49 12 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    6412
    Nos siga no

    A Ucrânia cortou o fornecimento de eletricidade aos territórios de Donbass não controlados por Kiev, segundo a operadora nacional de energia.

    As autoridades da Ucrânia suspenderam desde 26 de julho o fornecimento de eletricidade aos territórios não controlados da região de Donetsk. Atualmente, Kiev não fornece energia às repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk, informou o diretor interino da operadora de energia ucraniana Ukrenergo, Vsevolod Kovalchuk.

    De acordo com ele, as necessidades de energia nestes territórios são satisfeitas graças às usinas termoelétricas localizadas na região de Donetsk, que não são controladas por Kiev, bem como graças a outros produtores de energia nos territórios não controlados.

    Além disso, segundo afirma Kovalchuk, o défice de eletricidade é compensado por fornecimentos a partir da Rússia.

    Na noite de 24 para 25 de abril o governo ucraniano deixou de fornecer eletricidade à República Popular de Lugansk (RPL), enquanto o Ministério para as Situações de Emergência da república autoproclamada afirmou que a população estava completamente abastecida de energia. No âmbito da ajuda humanitária, a Rússia tomou a decisão de fornecer eletricidade à república.

    Comentando a decisão das autoridades ucranianas, o Ministério do Carvão e Energia da República Popular de Donetsk (RPD) declarou que a república não depende de Kiev no plano energético e que a suspensão de fornecimentos não afetará de modo algum os consumidores.

    "A RPD não depende no plano energético da Ucrânia, já que nós próprios extraímos carvão e o fornecemos às nossas usinas termoelétricas, abastecemos completamente a população e as empresas da república de eletricidade", disse o representante do ministério à Sputnik.

    Anteriormente, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov afirmou que a suspensão do fornecimento de eletricidade à RPL é mais um passo de Kiev rumo à separação de seus territórios, o que, para além disso, contradiz os acordos de Minsk. 

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar