23:30 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, em 16 de março de 2016

    Erdogan manda recado a Alemanha para não interferir em assuntos da Turquia

    © REUTERS / Umit Bektas
    Europa
    URL curta
    3124
    Nos siga no

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje que a Alemanha não tem o direito de interferir em questões internas do seu país, se referindo às críticas alemãs às inúmeras ações que vêm sendo adotadas por Ancara desde o golpe militar fracassado do ano passado.

    "A Turquia é um Estado social-democrata baseado na lei e ninguém tem o direito de interferir em seus assuntos internos", disse o líder turco antes de partir para o Golfo Pérsico, onde tentará acalmar as tensões existentes em torno da crise do Qatar.

    O governo alemão criticou a Turquia recentemente pela detenção de ativistas dos direitos humanos, incluindo um cidadão alemão, acusados de estarem ligados a organizações terroristas. Após demonstrar sua insatisfação ao embaixador turco em Berlim, a Alemanha chegou a avisar a seus cidadãos que sua segurança não pode ser garantida na Turquia, assim como o acesso consular.

    Esse foi o último de uma série de episódios de desentendimentos entre os dois países ao longo dos últimos meses, incluindo recriminações ao referendo que aumentou os poderes de Erdogan e a retirada de militares alemães da base de Incirlik.

    Segundo o presidente turco, Alemanha e Turquia são parceiras estratégicas há muito tempo, inclusive na OTAN e, talvez, no futuro, também na União Europeia. 

    "Nenhum passo deve ser dado para ofuscar essa parceria", afirmou.

    Mais:

    Turquia tem manifestações de massa um ano após tentativa de golpe
    Erdogan: Turquia irá respirar com alívio se UE cancelar sua adesão
    Golpe de Estado fracassado provoca escândalo diplomático entre Áustria e Turquia
    Tags:
    OTAN, União Europeia, Recep Tayyip Erdogan, Incirlik, Golfo Pérsico, Qatar, Ancara, Alemanha, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar