22:33 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Manobras navais internacionais Sea Breeze 2017 organizadas pelos EUA e Ucrânia no mar Negro

    Como Ucrânia pretende provocar Rússia durante manobras no mar Negro?

    © AFP 2017/ ALEXEY KRAVTSOV / AFP
    Europa
    URL curta
    323406714

    As manobras Sea Breeze 2017, que contam com a participação dos EUA e da Ucrânia, foram iniciadas na segunda (10) no noroeste do mar Negro e nas regiões ucranianas de Odessa e Nikolaev.

    Representantes das forças armadas de mais de 16 países estão treinando operação de segurança naval em uma região que está enfrentando crise, declarou o Ministério da Defesa da Ucrânia. 

    Os exercícios são organizados no formato de jogos livres e serão encerrados em 23 de julho. 

    Mais de 30 navios de guerra e 25 porta-aviões e helicópteros estão envolvidos nas manobras. O contingente dos EUA é representado pelo cruzador de mísseis USS Hue City, destróier USS Carney, avião antissubmarino P-8A Poseidon e mais de 800 oficiais. 

    O porto de Odessa está recebendo vários navios da OTAN, incluindo a fragata turca e a corveta da Romênia, bem como 10 embarcações e navios de guerra ucranianos. 

    Além disso, duas aeronaves de transporte da OTAN aterrissaram em Odessa, repletas de militares e mergulhadores. 

    ​Em janeiro, o parlamento ucraniano aprovou uma lei que permite a entrada de tropas estrangeiras em 2017 para participação de manobras multinacionais no país. 

    Escalada da situação no mar Negro 

    Apesar do novo formato, as manobras anuais, assim como nos anos anteriores, são focadas em operações marítimas, treinamentos de defesa aérea, antissubmarino, operações de busca e de resgate, bem como visam reforçar a cooperação entre os aliados para garantir a estabilidade na região do mar Negro. 

    De acordo com o analista político da Sputnik, Aleksandr Khrolenko, esta demonstração de força é destinada contra a Rússia, mais precisamente contra a região russa da Crimeia. As atividades militares que estão sendo realizadas perto das fronteiras russas são "preocupantes", acrescenta. 

    O USS Hue City é equipado com sistema de combate Aegis e tem capacidade para portar até 122 mísseis. Já o USS Carney pode levar até 90 mísseis antissubmarino e antinavio. 

    "Os dois navios podem fornecer à Ucrânia uma ajuda de 212 mísseis, com exceção de torpedos e artilharia. Isso é exagero para 'garantir a estabilidade' na região, especialmente levando em consideração que a região é estável. Possivelmente, o envolvimento norte-americano visa aumentar as tensões no mar Negro", comunicou Khrolenko.

    Entretanto, a Frota do Mar Negro russa comunicou que vai acompanhar atentamente os exercícios. Toda a área do mar Negro está coberta por mísseis russos.

    Provocações preparadas pela Ucrânia

    O analista militar russo, Viktor Baranets, acredita que a Ucrânia possa estar utilizando os exercícios Sea Breeze 2017 para saciar seus próprios interesses. 

    "Há um momento muito importante que deve ser mencionado. A Ucrânia continua envolvendo os EUA nas tensões entre Kiev e Moscou. Isso é fato, os exercícios são prova disso. Há uma possibilidade de provocações durante as manobras, como, por exemplo, a travessia de fronteiras russas pelos navios de combate da OTAN. Acredito que a Ucrânia possa estar preparando algo do tipo. Para Kiev, é importantíssimo fazer com que a OTAN e a Rússia entrem em conflito, pois esse é um objetivo estratégico de Kiev", acrescentou Baranets ao serviço russo da rádio Sputnik

    De acordo com ele, as manobras estão enviando uma mensagem para a Rússia. 

    Ele adiantou que as manobras Sea Breeze 2017 podem ser consideradas como “instrumento da OTAN para pressionar as fronteiras estratégicas da Rússia”.

    Mais:

    Ucrânia será tema principal da primeira reunião entre Rússia e OTAN em 2017
    Instrutores da OTAN se tornam objeto de troça na Ucrânia
    Tags:
    manobras navais, exercício, provocação, navios, tensão, treinamento, mísseis, Sea Breeze, OTAN, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik