02:54 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Superfície do planeta Vênus

    Calor e muito ácido: Terra pode virar Vênus graças a Trump, diz Hawking

    © ESA/AOES
    Europa
    URL curta
    1097
    Nos siga no

    O famoso astrofísico britânico Stephen Hawking, de 75 anos, disse que atitudes como a do presidente norte-americano Donald Trump devem levar o planeta Terra ao patamar de Vênus, com consequências graves e irreversíveis para a humanidade.

    Um exemplo disso, de acordo com Hawking, foi a decisão de Trump em retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris, que obriga os países-membros a reduzir as suas emissões de gases para frear o aquecimento global, algo que pode criar condições inóspitas aos humanos.

    “Estamos perto do momento crítico quando o aquecimento global se tornará irreversível. O que Trump poderia fazer é que a Terra acabe como Vênus, com temperaturas de 250 graus e as chuvas de ácido sulfúrico”, disse o astrofísico à rede britânica BBC.

    Hawking já pontuou recentemente que os seres humanos devem explorar até mesmo o espaço em busca de um novo lar, já que a Terra caminha para se tornar insustentável à humanidade, esta ameaçada pela falta de medidas mais eficazes contra o aquecimento global.

    O astrofísico também se mostrou pessimista quanto à possibilidade da humanidade resolver os seus conflitos, a fim de salvar o planeta e a si mesma.

    “Temo que a evolução tenha incorporado ganância e agressão no genoma humano. Não parece que os conflitos vão diminuir e o desenvolvimento de tecnologias militares e armas de destruição em massa podem levar ao desastre”, completou Hawking.

    Mais:

    Stephen Hawking: restam apenas 100 anos para salvar humanidade
    Stephen Hawking: chegou o momento mais perigoso para o nosso planeta
    Cientistas dizem que humanidade tem três anos para salvar a Terra da destruição
    Tags:
    ácido sulfúrico, tecnologia, aquecimento global, meio ambiente, NASA, Donald Trump, Stephen Hawking, Estados Unidos, Espaço, Vênus, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar