10:01 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Menina síria deslocada passeia pelo campo de refugiados na região da planície de Damasco.

    UE dá ultimato de 24 horas para Hungria, Polônia e República Tcheca aceitarem refugiados

    © AFP 2017/ Amer Almohibany
    Europa
    URL curta
    57911

    A União Europeia deu um ultimato público nesta terça-feira (13) para que Hungria, Polônia e República Tcheca comecem a aceitar refugiados. O bloco afirmou que irá instalar "procedimentos de infração" contra os três países.

    "Não podemos e não deixaremos esses países-membros com uma fronteira própria. E quando o assunto é realocação, deixe-me ser claro, a implementação das decisões do Conselho [Europeu] é uma obrigação legal, e não uma escolha", afirmou o Comissário para Migração, Assuntos Internos e Cidadania, Dimitris Avramopoulos.

    Bruxelas afirma que os três países não estão fazendo sua parte para cumprir um acordo que o bloco assinou em 2015 e que previa o acolhimento de 160 mil refugiados. Até o momento, menos de 21 mil pessoas foram acolhidas. À época, República Tcheca, Hungria, Romênia e Eslováquia votaram contra o plano, mas foram minoria.

    A diretora do Instituto de Reintegração do Refugiado, Carla Mustafi, afirma que existe um certo "nacionalismo" e "xenofobia" em algumas regiões da Europa. Para ela, os refugiados são pessoas que sofrem perseguições, "é uma questão de sobrevivência", diz.

    "Desde 2015, quando a questão migratória e dos refugiados ganhou maior visibilidade, temos percebido que alguns países, principalmente do Leste Europeu, fecharam as suas fronteiras e de certa forma tentaram evitar o fluxo dessas pessoas. Sabemos que o fluxo inicial era de pessoas que chegavam até a Grécia e seguiam a pé ou por meios terrestres pelos Bálcãs até chegar na fronteira com a Alemanha, então elas passavam por esses países do Leste Europeu que têm uma política restritiva", afirma Carla.

    Hungria, Polônia e República Tcheca foram avisadas que Bruxelas espera uma mudança de postura dentro de 24 horas.

    Mais:

    Opinião: União Europeia aos poucos convence Sérvia a reconhecer independência do Kosovo
    Holanda ratifica acordo de associação de Ucrânia com União Europeia
    Chanceler britânico: 'A União Europeia quer sangrar este país'
    Com medo de um 'Frexit', União Europeia quer fazer Reino Unido de exemplo
    Brasil e União Europeia fecham cooperação técnica para agricultores da Amazônia
    Grã-Bretanha anuncia oficialmente a saída da União Europeia
    Tags:
    União Europeia, Carla Mustafa, Dimitris Avramopoulos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik