07:27 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Chanceler alemã, Angela Merkel, e presidente dos EUA, Donald Trump

    Merkel liga para Trump e expressa 'desaprovação' após saída do Acordo de Paris

    © AFP 2018/ Joshua Lott, Odd Anderse
    Europa
    URL curta
    2664

    Angela Merkel expressou desapontamento com a decisão de Washington de se retirar do acordo climático de Paris durante um telefonema com o presidente dos EUA, Donald Trump.

    A chanceler alemã, Angela Merkel ligou hoje para o colega americano Donald Trump e manifestou desapontamento com a decisão de Washington de se retirar do acordo climático de Paris, disse o porta-voz do gabinete alemão, Steffen Seibert.

    ​"A chanceler Merkel em conversas telefônicas com o presidente dos EUA, Trump, se arrependeu de sua decisão. Ela confirmou o compromisso da Alemanha com o acordo de Paris", disse Seibert em seu blog no Twitter.

    O porta-voz divulgou também uma declaração conjunta com Itália e França sobre o assunto. No texto, as três nações afirmam estarem convencidas "que a implementação do Acordo de Paris oferece oportunidades econômicas substanciais para prosperidade e crescimento em nossos países e em escala global". O comunicado diz ainda que o Acordo "não é negociável".

    "Reafirmamos o nosso maior empenho em implementar rapidamente o Acordo de Paris, incluindo os seus objetivos de financiamento climático e encorajamos todos os nossos parceiros a acelerar a sua acção no combate às alterações climáticas", completa a nota.

    Telegram

    Siga Sputnik Brasil no Telegram. Todas as notícias mundiais do momento em um só canal. Não perca!

    Mais:

    Por que saída dos EUA do Acordo de Paris deve preocupar o mundo?
    Mídia: Trump decide abandonar Acordo de Paris sobre mudança climática
    'Acordo de Paris é irreversível e os esforços são inadiáveis'
    Tags:
    mudança climática, Acordo de Paris, Twitter, Steffen Seibert, Donald Trump, Angela Merkel, Estados Unidos, Itália, Alemanha, França, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik