00:45 15 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Reunião entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e a chanceler alemã, Angela Merkel, em 17 de março de 2017.

    Em dia de ataque de Trump, Merkel reafirma que Europa precisa ser dona do próprio destino

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Europa
    URL curta
    1071
    Nos siga no

    A primeira-ministra alemã Angela Merkel voltou a afirmar nesta terça-feira de que a Europa precisa “ter o seu destino em suas mãos”, uma declaração que ela já havia feito há alguns dias, em um claro recado à política isolacionista do presidente norte-americano Donald Trump.

    “O que eu disse neste momento presente é que há mais razões do que antes de termos o nosso destino em nossas mãos na Europa”, disse Merkel, logo após um encontro com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi.

    Horas mais cedo, Trump publicou um tweet em que apontou um “grande déficit” comercial com a Alemanha, que também não estaria colocando dinheiro suficiente na OTAN. “Isso vai mudar”, completou o presidente dos Estados Unidos na mesma mensagem.

    As relações entre os dois países estão tão tensas que até mesmo o ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, acusou Trump de “enfraquecer o Ocidente” com sua política de “América em primeiro lugar”.

    “Qualquer um que acelere as alterações climáticas, enfraquecendo a proteção ambiental, que vende mais armas em zonas de conflito e que não quer resolver politicamente os conflitos religiosos, coloca em risco a paz na Europa”, comentou Gabriel.

    Merkel tentou colocar panos quentes no assunto.

    “As discussões com os EUA são tão importantes como são com outros parceiros – as relações transatlânticas são de incrível importância”, destacou. Em seguida, elogiou Modi pelo compromisso com o Acordo de Paris – algo que Trump ainda não indicou que fará, muito pelo contrário.

    Na Casa Branca, o porta-voz Sean Spicer disse nesta terça-feira que a Alemanha é um importante aliado dos EUA e que Trump tem grande respeito por Merkel. “Eles se dão muito bem. Ele tem muito respeito por ela. ... E ele não vê apenas a Alemanha, mas o resto da Europa como um importante aliado americano”.

    Apoio italiano

    A frustração com Trump ficou latente após o encontro do G7, na semana passada, na Itália. O presidente norte-americano não impressionou a ninguém e ainda se envolveu em gafes, como o empurrão que deu no premiê de Montenegro, ou o aperto de mão com o presidente francês Emmanuel Macron.

    O primeiro-ministro italiano Paolo Gentiloni reforçou a mensagem dada por Merkel. Para ele, a Europa precisa construir e trilhar o seu próprio caminho, diminuindo a sua dependência dos EUA – o que significa quebrar uma linha de atuação na política internacional que durava desde o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

    “Isso não tira nada da importância dos nossos laços transatlânticos e da nossa aliança com os Estados Unidos. Mas a importância que colocamos nesses laços não pode significar que abandonemos princípios fundamentais, como nosso compromisso de lutar contra as mudanças climáticas e em favor das sociedades abertas e do livre comércio”, comentou.

    Mais:

    Partido de Merkel vence eleições em estado mais populoso da Alemanha
    Putin e Merkel se encontram em Sochi
    Por que provável vitória de Macron na França já põe pressão sobre Merkel
    Tags:
    diplomacia, política, União Europeia, G7, Paolo Gentiloni, Sigmar Gabriel, Donald Trump, Angela Merkel, Estados Unidos, Alemanha, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar