19:28 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    French President Emmanuel Macron attends the G20 summit in Buenos Aires, Argentina. November 30, 2018

    Quase um De Gaulle: apoio ao Macron é um dos maiores da história

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Europa
    URL curta
    615
    Nos siga no

    O novo presidente francês, Emmanuel Macron, goza de um dos mais altos níveis de apoio já registrados no país, ficando atrás apenas de Charles de Gaulle e de Nicolas Sarkozy, segundo pesquisa.

    Emmanuel Macron e Brigitte Trogneux
    © REUTERS / Christian Hartmann
    De acordo com os resultados da pesquisa, divulgada pelo Le Journal du Dimanche, 62% dos franceses apoiam Macron. Somente De Gaulle e Sarkozy receberam maiores níveis de apoio, de 67% e de 65%, respectivamente, acrescentou o jornal.

    O alto nível de apoio, no entanto, não é raro na França para presidentes em início de mandato. Assim, o impopular ex-presidente francês François Hollande, em 2012, quando assumiu o cargo, foi apoiado por 61 % dos cidadãos franceses. Este percentual caiu significativamente durante os próximos anos. Ao fim do presidência, Holland amargava o pior nível de apoio a um presidente na história francesa.

    Os resultados da pesquisa também mostraram que quase todos os cidadãos e grupos políticos estavam satisfeitos com o trabalho de Macron durante sua primeira semana de presidência.

    A pesquisa foi realizada com 973 cidadãos franceses nos dia 19 e 20 de maio.

    Macron assumiu a presidência em 14 de maio, depois de vencer o segundo turno da eleição no dia 7 do mesmo mês.

    Mais:

    Berlusconi chama Macron de 'rapaz bonito com uma mãe bonita'
    Ex-primeiro-ministro francês chama Hollande e Macron de 'incapazes'
    Eleições na França: não foi uma vitória de Macron, mas uma tentativa de conter Le Pen
    Por que preconceitos são nada para o amor de Macron e sua esposa? (FOTOS)
    Tags:
    apoio, pesquisa, François Hollande, Charles de Gaulle, Emmanuel Macron, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar