03:38 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Situação na região de Donetsk

    Ucrânia desiste da ideia de 'desocupar' Donbass pela força

    © Sputnik / Andrei Stenin
    Europa
    URL curta
    11102

    A Urânia não pensa reaver o controle de Donbass pela força, disse o ministro da Defesa ucraniano Stepan Poltorak durante uma entrevista ao canal alemão Deutsche Welle.

    Entretanto, o ministro tem certeza de que o território voltará a ser controlado pelas autoridades ucranianas. "Estamos certos que Donetsk e Lugansk são território ucraniano", afirmou o ministro.

    Poltorak informou que, durante a operação militar no Donbass, morreram 2.655 militares ucranianos. Segundo ele, no total, morreram 10 mil ucranianos, mais 20 mil foram feridos, a Ucrânia "perdeu 43 mil quilómetros quadrados".

    Em abril, o secretário do Conselho da Segurança e Defesa Nacional Aleksandr Turchinov anunciou uma ofensiva militar no Donbass. Ele pediu aos militares para "avançarem para leste metro por metro, quilómetro por quilómetro" e destacou que "o principal era não passar a fronteira".

    O ministro do Interior ucraniano Arsen Avakov declarou também que Kiev deve estar pronto para a "desocupação" dos territórios. Em fevereiro, ele afirmou que as autoridades ucranianas tinham um "plano concreto" para reaver o Donbass. Ao mesmo tempo, o ministro assinalou que a recuperação do Donbass deve passar pela via diplomática e não militar.

    Em abril de 2014, Kiev lançou uma operação contra as repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk que declararam sua independência depois do golpe de Estado ocorrido na Ucrânia. Conforme os últimos dados da ONU, as vítimas mortais do conflito ascendem a mais de 10 mil pessoas.

    Mais:

    Líder da república na mira? Atentado terrorista atinge Dia da Vitória em Donetsk
    Lugansk: sabotadores da Ucrânia foram preparados pela OTAN
    Kiev cessa fornecimento de eletricidade ao território não controlado em Donbass
    Tags:
    Aleksandr Turchinov, Arsen Avakov, Stepan Poltorak, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar