15:59 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1443
    Nos siga no

    O segundo turno das atribuladas presidenciais francesas terão lugar neste domingo (7). Nesta disputa se enfrentarão o ex-ministro da Economia do governo socialista e banqueiro de investimentos Emmanuel Macron e a representante da direita francesa Marine Le Pen.

    O jornalista independente Denis Rogatyuk falou com a Sputnik Internacional e afirmou que o resultado das eleições será um "fator decisivo no futuro da França dentro da União Europeia".

    Le Pen, provavelmente a figura mais visível entre a direita europeia, promete não apenas abandonar a zona euro e reintroduzir a moeda nacional, o franco, mas não exclui a possibilidade de sair da UE de uma vez por todas.

    Ao mesmo tempo, o centrista Macron manifestou seu apoio às estruturas europeias e suas políticas na área de economia.

    "Que saibamos, os dois candidatos representam visões opostas e, de fato, polarizadas a respeito da União Europeia e sobre a França como parte dela", afirmou Rogatyuk.

    Porém, muitos dizem que, após a "surpresa" do Brexit britânico e a eleição de Donald Trump como presidente dos EUA, não há nenhumas garantias que as presidenciais francesas deem a vitória ao candidato favorito dos moderados e do "establishment" político tradicional da França.

    Há dois dias, o ex-presidente americano Barack Obama gravou um apelo de um minuto a favor do presidenciável Macron, assegurando no vídeo dirigido ao povo francês que "o sucesso da França é importante para todo o mundo".

    No entanto, Rogatyuk destaca que este selo de aprovação por parte do ex-presidente dos EUA não foi nada surpreendente.

    "É um passo bem previsível por parte do ex-líder americano… Além de Obama, Macron também recebeu elogios e apoios da parte de outras importantes figuras internacionais que fazem parte do que eles chamam de poderoso extremo centro por todo o mundo", assinalou, apontando a hipocrisia de um conselho não solicitado que vem de fora.

    "Macron tem consistentemente tentado retratar Le Pen como fantoche de Vladimir Putin… Além de ter banido algumas mídias, tais como a Sputnik ou o RT, de assistirem às entrevistas coletivas", acrescentou.

    "Esta interferência direta por parte de Obama de apoio a Macron é certamente mais um exemplo do tipo de hipocrisia que continua até hoje roendo o establishment neoliberal na França", resumiu.

    As enquetes, que foram extremamente exatas no primeiro turno das eleições, indicam Macron como o líder claro da corrida, com uma vantagem de até 20%.

    "Um sentimento comum em todas as mídias e nas elites governantes francesas é que no domingo tudo estará preparado para entregar a presidência a Emmanuel Macron para que este passe os próximos cinco anos implementando políticas de austeridade e neoliberalismo", analisou o especialista.

    Neste ano, nenhum dos maiores partidos franceses — nem os republicanos nem os socialistas — conseguiu passar para o segundo turno das eleições, pela primeira vez desde que o atual sistema eleitoral foi introduzido em 1965.

    Mais:

    'Euro está morto': Marine Le Pen apela à restauração da moeda nacional francesa
    Por que provável vitória de Macron na França já põe pressão sobre Merkel
    'Mão do Kremlin': Moscou é acusada de intervir nas eleições na França
    Tags:
    presidenciável, neoliberalismo, eleições presidenciais, Brexit, En Marche, Frente Nacional, Emmanuel Macron, Donald Trump, Marine Le Pen, Barack Obama, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar