08:11 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    210
    Nos siga no

    Os soldados franceses que se encontram longe de sua pátria, participando de missões internacionais, não poderão participar diretamente do segundo turno da eleição presidencial, que ocorre amanhã. No entanto, eles poderão pedir que outras pessoas votem por ele, desde que obedecidas algumas condições especiais.

    Segundo informou à Sputnik uma fonte do Estado-Maior, as autoridades não instalarão urnas de votação nas unidades das Forças Armadas em outros países, como Mali ou Iraque.

    "A única possibilidade para os soldados ou oficiais participarem da eleição é votando por procuração", afirmou. 

    De acordo com a legislação francesa, o voto por procuração pode ser realizado mediante autorização, desde que a pessoa que for efetivamente votar tenho plenos direitos de eleitor e esteja registrada na mesma seção eleitoral do cidadão a ser representado.

    Neste domingo, 6, eleitores na França e no exterior decidirão quem será o novo presidente do país, em uma disputa entre Emmanuel Macron, do movimento En Marche!, e Marine Le Pen, da Frente Nacional.

    Mais:

    Marine Le Pen afirma que abandono do euro não é a prioridade para a França
    Por que provável vitória de Macron na França já põe pressão sobre Merkel
    #MacronLeaks: WikiLeaks analisa dezenas de milhares de documentos vazados sobre Macron
    Rússia é acusada de vazar correspondência de Macron
    Tags:
    eleição, Frente Nacional, En Marche, Marine Le Pen, Emmanuel Macron, Iraque, Mali, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar