07:41 18 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Sputnik news agency

    Sputnik e RT vão processar o candidato francês, Emmanuel Macron

    © Sputnik/ Igor Russak
    Europa
    URL curta
    5110

    A agência de notícias Sputnik e a emissora RT vão apresentar uma ação judicial contra as alegações do candidato presidencial Emmanuel Macron, disse Margarita Simonyan, editora-chefe dos dois meios de comunicação.

    Macron
    © AFP 2018/ Jean-Sebastien Evrard
    No início do dia, a Sputnik emitiu uma declaração refutando acusações pelo partido En Marche! (EM!) Partido de difundir "notícias falsas" sobre as alegadas contas bancárias offshore do candidato.

    Na quinta-feira, Macron arquivou uma queixa legal,  sem especificar réus, sobre alegações de que ele possuía uma contas bancárias nas Bahamas. A campanha do EM! emitiu mais tarde um comunicado acusando a Sputnik e o canal de TV RT de "ativamente" retransmitirem as notícias supostamente falsas e repetidas pela rival de Macron, Marine Le Pen.

    "A alusão à Sputnik e à RT pela campanha de Macron no contexto desta investigação é absolutamente infundada. É um exemplo perfeito de uma fabricação destinada a minar a confiança entre os leitores. Quando o movimento do Sr. Macron divulgou a declaração alegando o 'ativo envolvimento da Sputnik' em espalhar a informação, tínhamos publicado apenas dois artigos, ambos baseados em declarações públicas EM!", informou a agência em comunicado.

    A Sputnik International publicou dois artigos sobre as alegações offshore. O primeiro abordou a refutação de Macron das alegações, enquanto o segundo relatou a queixa apresentada por seu partido. Nenhuma cobertura ao caso foi dada nas redes sociais da agência.

    A campanha do EM! não respondeu a um pedido de explicações da agência Sputnik. A empresa vai procurar aconselhamento jurídico após as acusações falsas proferidas pelo partido de Macron.

    Tags:
    EM, En Marche, RT, Sputnik, Emmanuel Macron, Margarita Simonyan, Marine Le Pen, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik