16:45 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Avião F-16 da Real Força Aérea Norueguesa.

    Oslo fica furiosa com venda de seu caça para um bilionário americano

    © flickr.com/ US Department of Defense
    Europa
    URL curta
    670

    Tanto as Forças Armadas Norueguesas como o Ministério da Defesa foram fortemente condenados por terem realizado uma venda controversa de uma aeronave ao bilionário extravagante Ross Perot Jr. do estado do Texas, EUA, diz o relatório da Auditoria Geral da República (OAG).

    Em 2015, a emprese norte-americana Northern General Leasing LCC (NGL), propriedade de Ross Perot Jr., recebeu a permissão para comprar dois caças noruegueses F-5 por 116.000 coroas norueguesas (R$ 42.529) cada, o que é muito mais barato do que o preço de mercado. Além disso, as autoridades da Noruega não sabem como e para que estão sendo usados os antigos aviões de guerra noruegueses, informa o jornal norueguês Aftenposten.

    "Ambas as Forças Armadas da Noruega e o Ministério da Defesa controlaram inadequadamente a venda de caças F-5, que estiveram em serviço de 1999 a 2015", disse o auditor geral, Per-Kristian Foss, em um comunicado, citando "documentação fraca" e "entendimento insuficiente das regras de exportação de equipamento militar" das autoridades.

    Por enquanto, está pouco claro como o bilionário conseguiu adquirir a aeronave por tal preço, já que a primeira oferta das Forças Armadas seria de 6,6 milhões de coroas norueguesas por uma aeronave (R$ 2,4 milhões). A venda da aeronave foi realizada pela Organização de Logística das Forças Armadas (FLO), que, anteriormente, enfrentou problemas por ter vendido navios de guerra à Nigéria e veículos todo-o-terreno que acabaram por ser vendidos ao Sudão, abrindo suspeitas de corrupção de escala, sublinhou o jornal norueguês Dagbladet.

    "A FLO não tinha nem rotinas nem sistemas que assegurassem o preenchimento de documentos importantes, apresentando nenhuma razão para justificar as decisões tomadas", frisou Per-Kristian Foss. "O controle interno das Forças Armadas era demasiado fraco, levando ao fracasso do Ministério da Defesa no cumprimento de suas responsabilidades", acrescentou.

    A OAG também pôs ênfase nas tentativas de vender o caça F-5 à Grécia em 2003. De acordo com a organização, a venda deveria ser efetuada através da companhia pública israelense Israel Aerospace Industries (IAI), sendo uma violação das estratégias nacionais.

    "O Ministério da Defesa não verificou a quem pertencia a empresa antes de assinar o acordo vinculativo com a suposta companhia grega", sublinhou Per-Kristian Foss, mencionando falta de transparência e rastreabilidade.

    Em resposta à OAG, a ministra da Defesa norueguesa, Ine Eriksen Soreide, admitiu não chegar a contestar os dados da OAG. Porém, ela argumentou que o relatório não apresentou de modo correto a prática de eliminação de material pelas Forças Armadas. Ela também defendeu a venda da aeronave por um preço abaixo do de mercado. Segundo a ministra, Noruega vem tentando se livrar das aeronaves durante 15 anos, sendo a destruição da aeronave a única opção real para o governo, mesmo custando milhões de coroas para o tesouro nacional.

    Durante muitos anos, a Noruega tentou se livrar de 15 caças F-5 usados, também conhecidos como Lutadores da Liberdade. De acordo com o relatório da OAG, 12 deles foram doados a escolas e museus, sendo um destes usado para treinamentos.

    ​"Acho que este velho caça norueguês F-5 parece um pouco depressivo com essa neve e escuridão ao fundo. Não é novidade".

    Henry Ross Perot Jr. é um real promotor imobiliário e empresário norte-americano. Ele é o filho mais velho do bilionário norte-americano e antigo candidato à presidência dos EUA, Ross Perot. Além disso, o magnata dos EUA deu a volta ao mundo aos 23 anos de idade de helicóptero.

    Mais:

    Como responderá a Rússia à implantação do sistema antimíssil da OTAN na Noruega?
    Plano de defesa da Noruega deixa país desprotegido
    Tags:
    venda de armas, caça, F-5, EUA, Noruega
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar