12:51 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Diretor geral da LafargeHolcim, Eric Olsen, foto de arquivo

    Diretor de gigante do concreto europeu pede demissão por financiar Daesh na Síria

    © REUTERS/ Arnd Wiegmann
    Europa
    URL curta
    191606132

    Diretor-geral da construtora suíço-francesa, LafargeHolcim, Eric Olsen, se demitirá em 15 de julho devido às provas confirmadas sobre financiamentos que a empresa prestava aos extremistas na Síria.

    "A minha decisão foi determinada pela convicção de que isso contribuirá para a diminuição da tensão que surgiu há pouco tempo em torno da situação na Síria. Enquanto eu não participei de nenhuma das violações, nem sabia sequer delas, estou seguro que a minha retirada beneficiará à tranquilidade na empresa", cita o comunicado as palavras de Olsen.

    Mais cedo, o jornal francês Le Monde informou que o gigante suíço de materiais de construção LafargeHolcim admitiu ter realizado arranjos "inaceitáveis" para assegurar a segurança de uma fábrica de cimento na Síria, assolada pela guerra, entre 2012 e 2014. A fábrica parou de funcionar em setembro de 2014.

    Anteriormente, a empresa havia confirmado o fato de ter cooperado com grupos armados na Síria. O diretor-geral interino será o presidente do conselho de administração Beat Hess. Entretanto, a empresa buscará imediatamente um candidato para o cargo de diretor-geral.

    Beat Hess destacou que a empresa espera que os acontecimentos ligados à atividade da LafargeHolcim na Síria nunca se repitam.

    A empresa francesa Lafarge e a suíça Holclim, produtoras de materiais de construção, acordaram sua fusão em março de 2015. Depois da fusão, a Holclim foi renomeada para LafargeHolcim Ltd.

    Mais:

    Diplomacia síria: Retorno dos militantes da Síria representaria um desastre para a Europa
    Enviado especial da ONU prefere Síria aos EUA e Europa
    Cientista político: Europa não sabe como resolver crises na Síria e Iraque
    Tags:
    financiamento do terrorismo, LafargeHolcim, Síria, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik