03:23 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Bandeiras da União Europeia e da Turquia

    UE pediu que Ancara busque consenso nacional ao implementar mudanças constitucionais

    © AP Photo/ Osman Orsal, File
    Europa
    URL curta
    440704

    As autoridades turcas devem tentar chegar a um "amplo consenso nacional" na implementação das mudanças constitucionais, uma vez que as emendas parecem ter sido aprovadas em referendo com uma margem estreita, disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, numa declaração com a chefe da política externa da UE, Federica Mogherini.

    "Incentivamos a Turquia a considerar as preocupações e as recomendações do Conselho da Europa, incluindo no que diz respeito ao Estado de Emergência. Tendo em conta o resultado estreito do referendo e as implicações de longo alcance das alterações constitucionais, pedimos às autoridades turcas que procurem buscar o mais amplo consenso nacional possível em sua implementação", dizia a declaração.

    De acordo com os resultados preliminares do referendo fornecido pela agência de notícias Anadolu, os adeptos das alterações constitucionais que aumentam os poderes do presidente do país têm 51,3 por cento dos votos depois de 99% dos votos terem sido processados.

    No início do dia, os cidadãos turcos votaram em um referendo sobre as emendas à constituição, que, se aprovadas, expandirão os poderes presidenciais e permitirão que o presidente permaneça como chefe do partido político que ele representa, o que não é permitido pela legislação vigente.

    Mais:

    'Sim' lidera no referendo na Turquia com 20% dos votos contados
    'A UE é uma União Cristã': Erdogan explica por que a Turquia não pode se juntar ao Bloco
    Erdogan a turcos expatriados: 'Tenham mais filhos, sejam o futuro da Europa'
    Turcos expatriados na Alemanha vão votar no referendo que aumenta poderes de Erdogan
    Tags:
    referendo, Jean-Claude Juncker, Federica Mogherini, Recep Tayyip Erdogan, Turquia, UE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik