08:41 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Boris Johnson discursa no BBC, março de 2016

    Moscou: 'Londres não tem a mínima ideia de que se passa na Síria'

    © REUTERS / Jeff Overs/BBC
    Europa
    URL curta
    3171

    O cancelamento da visita do ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha Boris Johnson a Moscou mostra uma falta absoluta de compreensão por parte de Londres de que está acontecendo na Síria, acredita o Ministério das Relações Exteriores russo.

    Boris Johnson tinha cancelado ontem a visita à Rússia agendada para 10 de abril dadas "as mudanças fundamentais na situação relacionadas com os acontecimentos na Síria".

    "Tendo em conta as afirmações de Johnson, ele tem atualmente outras prioridades, em particular a discussão com os parceiros do G7 sobre a situação na Síria e o 'apoio russo ao regime de Assad'. É evidente que há uma falta de compreensão fundamental ou falta de conhecimento do que se passa na Síria, dos esforços da Rússia para resolver a crise e do objetivo da diplomacia em geral", comenta o Ministério russo.

    Segundo os diplomatas russos, o cancelamento da visita apenas confirma que a Grã-Bretanha continua ficando "na sombra de seus parceiros estratégicos e não tem uma capacidade real de influenciar as relações internacionais".

    "Não consideramos que precisamos mais do diálogo com Londres do que eles precisam dele", conclui o Ministério russo.

    Os Estados Unidos lançaram pelo menos 59 mísseis de cruzeiro na noite desta quinta-feira (6) contra um aeródromo sírio próximo à cidade de Homs. O ataque seria uma resposta de Trump às denúncias de uso de armas químicas proibidas pelo governo sírio, responsável pela morte de 100 pessoas na terça-feira. 

    Mais:

    Lavrov e Tillerson discutiram o ataque dos EUA à base aérea na Síria
    Daily Mail remove artigo sobre plano dos EUA para organizar ataque químico na Síria
    Que impede Londres de melhorar as relações com a Rússia?
    Tags:
    G7, Boris Johnson, Rússia, Grã-Bretanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik