20:02 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem

    Partido Popular Europeu pede demissão de Dijsselbloem

    © REUTERS/ Eric Vidal
    Europa
    URL curta
    436923

    O Partido Popular Europeu pediu nesta terça-feira (28) a demissão do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

    A bancada do Partido Popular Europeu pediu oficialmente a demissão do presidente do Eurogrupo – o holandês Jeroen Dijsselbloem – e também enviou um pedido formal para que este se desculpe das recentes declarações polêmicas relativamente aos países do sul da Europa.

    "Nesta semana, soubemos de declarações que o senhor prestou à mídia e que são consideradas inequivocamente discriminatórias e ofensivas para vários países da UE, bem como ofensivas e sexistas para as mulheres", se lê na declaração.

    "As suas declarações abalam um dos mais importantes valores essenciais da União Europeia: a igualdade. Durante as últimas seis décadas, todos nós conseguimos materializar em conjunto, senhor Dijsselbloem, um sonho que antes parecia impensável: que os Europeus fossem iguais em oportunidades, direitos e obrigações."

    Dijsselbloem afirmou em uma conversa com o diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung que os países do Norte da Europa tinham se mostrado solidários com os Estados da União Europeia afetados pela crise do euro e que esses países, que haviam pedido ajuda, têm algumas obrigações, porque "não se pode gastar todo o dinheiro em bebidas alcoólicas e mulheres e, em seguida, pedir que os ajudem".

    Antes, o ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, citado pelo jornal Expresso, disse que as palavras do presidente do Eurogrupo mostram que o "senhor Dijsselbloem não tem nenhumas condições para permanecer à frente do Eurogrupo".

    Mais:

    A seguir à Grécia, ministro português também cede ao Eurogrupo
    Pesquisa: maioria dos entrevistados concorda que Trump é sexista
    Tags:
    Partido Popular Europeu, Jeroen Dijsselbloem, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik