02:07 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Incêndio no armazém de munições na cidade ucraniana de Balakliia que deflagrou na madrugada de 23 de março de 2017

    Detonação de munições em armazém ucraniano resulta em 1 morto e 1 ferido

    © REUTERS / Alexander Sadovoy
    Europa
    URL curta
    125

    Hoje (24) de manhã, a detonação de munições em um armazém ucraniano na região de Carcóvia resultou na morte de uma mulher e deixou outra ferida, sendo que a situação no local continua sendo "complexa" após a explosão de ontem, comunicou o chefe do Serviço Estatal para Situações de Emergência ucraniano.

    O dirigente do serviço ucraniano para situações de emergência, Nikolai Chechetkin, comunicou a informação durante uma reunião da Suprema Rada, adiantando que o corpo da mulher foi encontrado debaixo dos destroços de um edifício. Outra mulher, segundo o titular, sofreu uma lesão na cabeça devido à queda de estilhaços.

    Além disso, as munições denotadas destruíram 12 edifícios, acrescentou Chechetkin.

    "A onda de explosão e os estilhaços das munições danificaram parcialmente o telhado e as janelas dos prédios e casas, da escola, da estação ferroviária e outras estruturas", assinalou.

    As detonações de munições, que alastraram por 1-2 quilômetros, dificultam o processo de combate ao fogo. De acordo com o primeiro-ministro ucraniano Vladimir Groisman, a extinção do incêndio levará entre 3 e 7 dias.

    O incêndio no armazém de munições na cidade ucraniana de Balakliia deflagrou na madrugada de 23 de março. Agora, as autoridades estão evacuando os habitantes da zona de 10 km em redor do local do acidente. Foram iniciados dois processos judiciais em conformidade com os artigos sobre Sabotagem e Negligência.

    Mais:

    Frente al-Nusra mata grande número de civis em Hama
    Ataque aéreo mata 42 pessoas em mesquita perto de Aleppo
    Explosão de carro-bomba em Tikrit, no Iraque, mata 7 pessoas e fere 40
    Tags:
    acidente, munição, armazém, incêndio, Carcóvia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik