09:17 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    10392
    Nos siga no

    Pilotos do esquadrão de ataque francês "Cigognes" (Cegonhas) cuja missão principal é patrulha, vigilância, controle e identificação de aeronaves no espaço aéreo europeu, contaram sobre seus encontros com caças russos.

    Um correspondente do jornal diário suíço Le Temps visitou a base do esquadrão francês na comuna francesa de Luxeuil-les-Bains.

    Os pilotos dos caças multifuncionais Mirage 2000-5F contaram sobre os encontros com caças russos. No dia 9 de fevereiro, eles levantaram voo para escoltar dois bombardeiros Tu-160 (chamados de Cisne Brancos pelos pilotos franceses).

    Os aviões russos voaram perto da costa ocidental da Irlanda, mas "em nenhum ponto entraram no espaço aéreo do Reino Unido".

    Porta-aviões russo, Admiral Kuznetsov nas águas internacionais da Noruega, 1 9 de outubro de 2016
    © REUTERS / Serviço de patrulha da Noruega
    Quatro dos seus aviões Mirage recentemente voltaram de uma missão de patrulha da Lituânia, realizada no âmbito da OTAN. Segundo os pilotos, durante os últimos 4 meses, o alarme soou 23 vezes para realizar "missões de vigilância, controle e identificação".

    Os pilotos cuidadosamente evitaram usar a palavra "intercepção", referindo-se à prática como "escolta", pois os aviões russos "não violaram o espaço aéreo dos países bálticos", disse o coronel Isaac Diakité, comandante do destacamento.

    Mirage 2000-5F
    Mirage 2000-5F

    "Tiramos fotografias e os russos também. De vez em quando nos cumprimentávamos à distância. Cada um faz seu trabalho", disse outro piloto francês.

    "A coisa mais importante é manter a cabeça fria", disse um dos pilotos franceses. "Os russos não são nossos inimigos. Eles estão aqui? Pois, nós também estamos", acrescentou.

    Durante quatro meses na Lituânia, Nicolas, Lois, Henri e outros pilotos viram muitos aviões russos no céu báltico – aviões de transporte militares, bombardeiros e caças em esquadrões ou sozinhos.

    "Às vezes armados, outras vezes não", disse o coronel Diakité, explicando que sempre voavam pelo corredor aéreo que liga o norte da Rússia com Kaliningrado.

    Mais:

    OTAN coloca a Marinha da Polônia perante objetivos irrealizáveis no Báltico
    Vice-ministro russo: posicionamento de forças da OTAN no Báltico ameaça a Rússia
    Báltico sob vigilância: EUA realizam novos exercícios militares na Lituânia
    Tags:
    espaço aéreo, Tu-160, Mirage 2000, Força Aérea da Rússia, Força Aérea da França, Países Bálticos, Rússia, Reino Unido, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar