20:14 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Um policial mantém vigilância em frente à prefeitura após dois assaltantes tomarem cinco reféns na igreja de Saint-Etienne-du -Rouvray, na Normandia, França, 26 de julho de 2016.

    'Todo o mundo odeia polícia!': França enfrenta protestos violentos

    © REUTERS/ Pascal Rossignol
    Europa
    URL curta
    1256521

    Gás lacrimogêneo acabou sendo usado no decorrer de protesto contra a candidata presidencial Marine Le Pen.

    A polícia de choque foi forçada a usar gás lacrimogêneo para conter o protesto de sindicatos antifascistas de extrema esquerda que foi iniciado como reação ao discurso agendado para domingo (26) de Marine Le Pen, líder da Frente Nacional.

    A agência RT informou, citando seu correspondente, que os manifestantes, muitos com máscaras, lançaram bombas de fumaça e até coquetéis molotov contra policiais durante os protestos. Durante os protestos muitos participantes gritavam "Todo o mundo odeia polícia!" Duas pessoas acabaram detidas para identificação e pelo menos um policial foi levado ao hospital com queimadura na perna, informou o jornal regional francês Ouest-France.

    "Nós estamos aqui para dizer a Marine Le Pen que ela é completamente indesejada aqui no Oeste e em Nantes em particular. Somos uma terra de solidariedade e progresso social e não queremos as mentiras de Marine Le Pen," disse Anthony Lemaire da Confederação Geral do Trabalho (CGT).

    Mais cedo, outros outlets da mídia local tinham informado que ativistas radicais de toda a França, inclusive membros de grupos anarquistas, estão a caminho de Nantes para participar de protestos.

    A manifestação composta, segundo estimativas das autoridades, por mais de 2.200 pessoas começou sob supervisão de um contingente policial de 500 a 600 efetivos, com várias unidades policiais de regiões vizinhas servindo como reforço.Les manifestants lancent des feux d'artifice et des cocktails Molotov sur la #Police. #Nantes #Manifestation pic.twitter.com/KQRjWX6XYz

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik