18:15 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    815
    Nos siga no

    O embaixador da França nas Nações Unidas, Francois Delattre, diz que a França espera alcançar um consenso entre os membros do Conselho de Segurança da ONU em relação a um projeto de resolução sobre o uso de armas químicas na Síria.

    A França espera chegar a um consenso entre os membros do Conselho de Segurança da ONU em relação a um projeto de resolução sobre o uso de armas químicas na Síria, disse o embaixador da França nas Nações Unidas, Francois Delattre.

    "O que está em jogo aqui é francamente a credibilidade do Conselho de Segurança", disse Delattre nesta sexta-feira. "É por isso que, de boa fé, no melhor espírito possível, até o último momento queremos alcançar a unanimidade do Conselho de Segurança".

    Delattre disse que um dos principais objetivos do projeto de resolução é impedir que tais ações aconteçam no futuro. A votação sobre o projeto por unanimidade, acrescentou, iria enviar uma mensagem poderosa.

    Falando logo após Delattre, o Representante Permanente Adjunto do Reino Unido para as Nações Unidas, Peter Wilson, disse que o Reino Unido pretende "avançar com esta resolução nos próximos dias".

    O vice-embaixador russo nas Nações Unidas, Vladimir Safronkov, disse que o projeto proposto era unilateral e violava o princípio da presunção de inocência ao prejulgar os resultados das investigações. Ele acrescentou que a Rússia está pronta para colocar um veto sobre ele.

    No final de 2016, a França e o Reino Unido submeteram um projeto de resolução ao Conselho de Segurança pedindo sanções contra os culpados pelo uso de armas químicas na Síria.

    Mais:

    Damasco nega uso de armas químicas na libertação de Aleppo
    Fábricas de armas químicas foram encontradas em Aleppo
    EUA comentam uso de armas químicas na Síria
    Tags:
    Armas químicas, Nações Unidas, Conselho de Segurança da ONU, Peter Wilson, Francois Delattre, Vladimir Safronkov, Síria, Reino Unido, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar