04:57 02 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    749
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Pavel Klimkin, sugeriu privar a Rússia do direito de veto no Conselho de Segurança da ONU, informa a agência ucraniana UNIAN.

    "O Conselho de Segurança deve ser capaz de reagir de modo eficaz aos 'conflitos sangrentos' apesar da possível presença à mesa de uma parte do conflito como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU", afirmou Klimkin durante uma reunião do órgão sobre conflitos não resolvidos na Europa.

    O chefe da diplomacia ucraniana fez lembrar o parágrafo 3 do artigo 27 da Carta da ONU, segundo o qual "aquele que for parte de um conflito se absterá de votar". Segundo o ministro, esta disposição está sendo ignorada, o que é inadmissível.

    Pavel Klimkin também classificou a presença da Rússia no Conselho de Segurança de modo permanente como "um problema fundamental", acusando Moscou de "fomentar" conflitos na Europa.

    "Na última década, a Europa tem vivido uma série de conflitos. Esses conflitos, não tendo sido resolvidos, têm uma particularidade em comum – o envolvimento ativo da Rússia, em particular, a estratégia de fomentar, participar e apoiar… para criar pontos de conflito em todo o continente", disse o ministro.

    Todos os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – Rússia, EUA, China, França e Grã-Bretanha – têm o direito de veto, o que possibilita bloquear qualquer resolução da organização.

    A Rússia afirmou muitas vezes que Moscou se opõe às limitações de seu direito de veto. A postura é apoiada por Washington e Pequim.

    Kiev tem acusado Moscou de interferir nos assuntos internos do país, sem, no entanto, apresentar quaisquer provas.

    Mais:

    Poroshenko: encontrado material militar no comboio humanitário russo para Donbass
    Trump diz que ONU se tornou 'apenas um clube para pessoas se reunirem e conversarem'
    Tags:
    veto, Conselho de Segurança da ONU, Pavel Klimkin, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar