21:32 16 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    27418
    Nos siga no

    Obviamente, a administração de Trump colocou o processo de adesão de Montenegro à OTAN “em pausa”.

    Esta é a principal razão do nervosismo do primeiro-ministro montenegrino, Dusko Markovic, seguida pelas acusações da capital do país a autoridades russas. É assim que as autoridades montenegrinas tentam agradar a Aliança.

    Uma nova onda de acusações contra Rússia sobre sua tentativa de organizar um golpe em Montenegro começou na entrevista do premiê do país ao jornal Time, em 17 de fevereiro, onde ele comentou sobre ameaças provenientes de autoridades russas, bem como sobre o fato de que os russos teriam entrado em contato com "alguns políticos montenegrinos, com a igreja Ortodoxa Sérvia, com organizações sem fins lucrativos, bem como, com algumas mídias".

    Dusko Markovic falou mais uma vez sobre a "mão de Moscou" no momento em que se tornou claro que o trem de alta velocidade chamado "Adesão de Montenegro à OTAN" parou onde menos se esperava — "nos EUA", disse à Sputnik Sérvia o jornalista e politólogo de Montenegro Matija Nikolic:

    "Tudo indica que, julgando por quão cuidadosamente as autoridades montenegrinas evitam qualquer menção do referendo sobre a adesão à OTAN, mesmo para eles [o governo] está claro o ânimo do povo sobre esta questão, ou seja, o povo não quer compartilhar do que é chamado pelo ex-primeiro-ministro de Montenegro, Djukanovic, de valor da família euro-atlântica."

    Segundo o primeiro-ministro de Montenegro, Dusko Markovic, na entrevista acima citada, os serviços secretos de países concretos da OTAN confirmaram informações sobre o fato de que, no dia das eleições em Montenegro, estavam preparando um golpe de Estado, mais especificamente, dois funcionários dos serviços especiais russos.

    "Esta é uma declaração muito superficial e descuidada do primeiro-ministro montenegrino, dita para agradar a OTAN. Enquanto isso, o problema é que, na mesma entrevista foram citadas as palavras de um alto representante do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, que a Casa Branca não tem nenhuma intenção de aceitar Montenegro na OTAN. É óbvio que o projeto de Montenegro na OTAN falhou, não importando o que inventaram os líderes montenegrinos", disse à Sputnik Sérvia historiador e analista político sérvio, Aleksandar Rakovic.

    O fato de que a Casa Branca não aceitar Montenegro na OTAN, é reforçado por Matija Nikolic:

    "O comportamento de Podgorica [capital de Montenegro] pode ser um tipo de pressão sobre a administração de Trump para que ela proteja o pequeno país, sendo salva pela OTAN da ‘grande e terrível Rússia, que busca derramamento de sangue', pelo menos, assim é mostrada a Rússia pelo premiê de Montenegro. A proteção, claro, dar-se-ia com a ratificação do protocolo de adesão de Montenegro à OTAN pelos EUA."

    O primeiro-ministro de Montenegro acusa os seus serviços secretos da Rússia de tentar organizar um sangrento golpe de Estado, e, no dia seguinte, três navios da Aliança chegaram ao porto de Bar para "reforço da cooperação com Montenegro". Talvez para dar apoio logístico às declarações de Markovic?— contesta nosso correspondente.

    Mais:

    Opinião: a OTAN já era
    Unha e carne: OTAN e Ucrânia acordam ativação de fundo de apoio a Kiev
    Tags:
    primeiro-ministro, aliança, golpe de Estado, premiê, Casa Branca, Kremlin, Time, OTAN, Milo Djukanovic, Donald Trump, Podgorica, Montenegro, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar