00:01 18 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Lutador do Exército Sírio Livre carrega sua arma enquanto está de pé em um prédio danificado, no leste da cidade rebelde de Dael, em Deraa Governorate, Síria, 3 de janeiro de 2017

    Por que a Bósnia pode se tornar 'refúgio ideal' para Daesh?

    © REUTERS / Alaa Al-Faqir
    Europa
    URL curta
    105

    Se a Rússia e os Estados Unidos juntarem seus esforços antiterroristas e lançarem uma operação de grande escala para atacar o Daesh no Oriente Médio, os militantes provavelmente fugirão para os Bálcãs, principalmente para Bósnia e Herzegovina, disseram especialistas à Sputnik Sérvia.

    A Bósnia será um "refúgio ideal de último recurso" para os terroristas que venham a fugir do Iraque e da Síria devido à existência de infraestrutura islâmica no país, afirmou o especialista em terrorismo, Djevad Galijasevic, a Sputnik Sérvia.

    "A infraestrutura islâmica existe há três décadas na Bósnia. Não há obstáculos que dificultem seu desenvolvimento. A propaganda de [ideias radicais] e a ajuda financeira [aos extremistas] continuam inabaláveis. Pode-se comprar qualquer arma na Bósnia. Alguns terroristas têm seus próprios bancos", detalhou.

    Milan Pasanski, presidente do Fórum para o Estudo do Terrorismo Internacional, compartilhou esses sentimentos, afirmando que os militantes provavelmente vão se recusar a cruzar as fronteiras da União Europeia caso os serviços de aplicação da lei e antiterrorismo da UE estejam em alerta máximo, instalando-se na periferia europeia, principalmente no Kosovo, na região sérvia de Sandzak e na Bósnia.

    Os últimos desenvolvimentos na Áustria parecem confirmar a avaliação de Pasanski.

    Na semana passada, o imã Nedzad Balkan foi detido na capital austríaca, Viena. Galijasevic descreveu-o como o fundamentalista islâmico mais radical, mas não o mais perigoso, de origem bosniana.

    "Balkan é considerado um especialista na interpretação de textos religiosos islâmicos, particularmente aqueles sobre o profeta Ibrahim. Balkan fundou o projeto Ibrahim Milleti. Há vários anos, a polícia alemã realizou uma operação de larga escala para capturar e prender Wahhabis — afiliados ao projeto", disse o analista.

    "Ele é o islamista mais radical que possui laços com a Bósnia e Herzegovina em Viena, mas não é o mais perigoso. O hafiz Muhamed Fadil Porca, que representa a união Dawa Salafia, é o mais perigoso."

    O analista acrescentou que Nedzad Balkan continua ativo fora de Viena, realizando operações nas cidades austríacas de Linz, Klagenfurt e Graz. Ele também atuou em outros países, principalmente na Suíça e Alemanha.

    "Ao deter Nedzad Balkan, as autoridades austríacas indicaram que caso a segunda onda de refugiados chegue, não será ignorada a possibilidade de haver terroristas entre os refugiados. É sabido que Viena se tornou um lugar onde os fundamentalistas islâmicos, alguns vindo da Bósnia, reúnem-se", disse Pasanski.

    Mais:

    EUA fornecem veículos blindados à Coalizão Árabe Síria para combater Daesh
    Cristãos são feitos de escravos e sofrem nas mãos do Daesh no Iraque
    Bombardeiros russos Tu-22M3 destroem alvos do Daesh em Deir ez-Zor na Síria
    Tags:
    terrorismo islâmico, wahhabismo, abrigo, refúgio, militantes, UE, Daesh, União Europeia, Sputnik, Estados Unidos, Rússia, Bósnia e Herzegovina, Bálcãs, Kosovo, Viena, Suíça, Áustria, Oriente Médio, Sérvia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar