05:32 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Caça F/A-18 da Força Aérea espanhola

    Mídia: caças espanhóis pretendem vigiar Rússia a partir do Báltico

    © flickr.com/ Jordi Payà
    Europa
    URL curta
    232030114

    A Força Aérea espanhola se juntará à missão liderada pela OTAN na Estônia para patrulhar o espaço aéreo dos Países Bálticos perto da fronteira russa.

    Eis o que revela o jornal espanhol ABC. Segundo a fonte, a missão, que terá início em abril de 2017, contará com a participação do décimo quinto destacamento da Força Aérea espanhola, baseado em Zaragoza.

    Além de vigiar o espaço aéreo, os militares espanhóis realizarão treinamento de novos pilotos para dirigir os caças multifuncionais F-18.

    Os detalhes da missão foram anunciados pela ministra da Defesa espanhola, Maria Dolores de Cospedal, durante a sua visita à base aérea de Zaragoza nesta semana.

    Os três Países Bálticos – a Letônia, Estônia e Lituânia – não possuem capacidades de controle aéreo. Desde a sua adesão à OTAN o espaço aéreo destes países tem sido protegido pela missão rotativa da Aliança.

    O reforço do flanco oriental da OTAN ganhou novas dimensões em janeiro deste ano depois de os soldados americanos terem cruzado a fronteira polonesa. A brigada, que conta com 3,5 mil militares, será posicionada na cidade de Zagan, no oeste da Polônia.

    ​No ano passado o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, anunciou que a organização reforçaria a sua presença rotativa na Polônia, Letônia, Lituânia e Estônia com a introdução de 4 batalhões em 2017, destacando que a expansão da Aliança na Europa Oriental continuará por tanto tempo quanto for necessário.

    Mais:

    OTAN: com Trump no poder, EUA continuarão leais à Aliança
    Deixar de ser uma 'muleta' da OTAN: França exorta à independência da defesa europeia
    Tags:
    presença militar, caças, missão, F-18, Força Aérea, OTAN, Ministério da Defesa, Países Bálticos, Lituânia, Letônia, Estônia, Polônia, Espanha, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik