10:24 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado ucraniano dirigindo um veículo blindado de transporte na região de Donetsk, na Ucrânia

    Opinião: conflito ucraniano tem previsão de escalada antes da posse de Trump

    © AFP 2019 / ANATOLII STEPANOV
    Europa
    URL curta
    933
    Nos siga no

    A tensão em Donbass vão aumentar até que o presidente eleito dos EUA Donald Trump e sua equipe assumam o poder, opinou Vadim Kolesnichenko, presidente do Conselho Internacional de Compatriotas Russos.

    Em entrevista ao serviço russo da rádio Sputnik, Kolesnichenko destacou que os acordos de Minsk morreram antes de nascer e que os confrontos ocorrem diariamente.

    "As Forças Armadas ucranianas bombardeiam as repúblicas de Donetsk e Lugansk (RPD e RPL) a cada dia. Isso dá razão para acreditar que o conflito vai escalar até que a nova administração chegue ao poder na Casa Branca", acha Kolesnichenko.

    Na opinião dele, é pouco provável que a equipe de Trump siga a linha das políticas do presidente cessante Barack Obama em relação à Ucrânia. Kolesnichenko aponta que a postura de Trump é bem diferente e que a Europa já está cansada da questão ucraniana:

    "É como uma facada no coração de Kiev", compara.

    Além disso, Kolesnichenko comentou a chegada de conselheiros estrangeiros à Ucrânia, com objetivo de treinar as Forças Armadas do país, caracterizando-os como "mercenários que trabalham por dinheiro". No entanto, de acordo com ele, o papel destes conselheiros "não deve ser subestimado" e que estes realmente representam um perigo, sendo "capazes de levar a cabo ataques de sabotagem que acontecem com frequência em Donbass".

    Ao mesmo tempo, Kolesnichenko acha que "Kiev será incapaz de envolver a Rússia e as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk em um conflito armado de grande escala", tomando em conta o fato de que as Forças Armadas ucranianas "estão desmoralizadas".

    "Ninguém quer combater. Mas quando um animal agressivo está morrendo, ele é capaz de causar grandes danos. As Forças Armadas da Ucrânia são perigosas; elas têm medo de si próprias", conclui Kolesnichenko.

    As autoridades da Ucrânia continuam realizando desde fevereiro de 2014 uma operação militar contra as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk (RPD e RPL) que, preocupadas com a política das novas autoridades do país, decidiram ficar juntas e formar a região de Donbass, rejeitando a legitimidade do novo gabinete em Kiev.

    Mais:

    Opinião: 'acusações de hackeamento visam fazer com que Trump se torne inimigo da Rússia'
    Trump promete: Rússia respeitará os EUA mais, do que agora
    Ucrânia planeja produzir armas de acordo com padrões da OTAN
    Tags:
    sabotagem, mercenários, Acordos de Minsk, conflito armado, Forças Armadas, Casa Branca, Barack Obama, Donald Trump, Rússia, Kiev, Lugansk, República Popular de Donetsk, Europa, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar