19:28 25 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    10331
    Nos siga no

    Forças ucranianas realizam ataques simultâneos contra posições da milícia da autoproclamada República Popular de Lugansk (LNR), disse à RIA Novosti a assessoria de imprensa da Polícia Popular da LNR.

    O exército ucraniano está lançando fogo a partir de canhões, lança-granadas, morteiros e de armas de atiradores. Durante as últimas 24 horas, foram realizados sete bombardeios contra posições da Polícia Popular da LNR.

    "A partir das 11h00 [horário local; 06h00 horário de Brasília], a situação se intensificou. Na direção de Debaltsevo, o inimigo continua atacando", segundo depoimento da polícia.

    Anteriormente, a Polícia Popular informou sobre o fracasso das tentativas dos militares ucranianos na ruptura da defesa da autoproclamada República Popular de Lugansk, mais precisamente na região de Kalinovka. Segundo autoridades da LNR, a batalha resultou na morte de dez oficiais das Forças Armadas da Ucrânia; mais de vinte saíram feridos. As milícias também sofreram perdas: duas pessoas ficaram feridas e duas estão desaparecidas.

     Em abril de 2014, as autoridades da Ucrânia iniciaram operação militar contra as autoproclamadas LNR e DNR (República Popular de Donetsk) que declararam independência após reviravolta estatal na Ucrânia, em fevereiro de 2014. De acordo com os últimos dados da ONU, o número de vítimas dos conflitos equivale a dez mil.

    Segundo o Ministério da Defesa ucraniano, em resultado aos ataques em Donbass, cinco oficiais de segurança foram mortos e 16 ficaram feridos ontem (18).

    Mais:

    Deputada Savchenko não acha que líderes das repúblicas de Donbass sejam terroristas
    Militar ucraniana Savchenko rejeita direito de existência das autoridades da Ucrânia
    'Burros!': Savchenko está insatisfeita com trabalho de deputados ucranianos
    Tags:
    exército, milícias, RIA Novosti, Ministério da Defesa, República Popular de Donetsk, Lugansk, Debaltsevo, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar