11:44 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    A vista de Vilnius

    Autoridades lituanas se assustam com 'pessoas corteses' de brinquedo

    © Sputnik/ Alexey Filippov
    Europa
    URL curta
    2406 0 0

    Na Lituânia se assustaram com brinquedos de "pessoas corteses" nas prateleiras de livrarias em Vilnius, escreve o portal Delfi citando a edição local Lietuvos rytas.

    Os habitantes notaram que o conjunto "Infantaria moderna russa ‘Pessoas corteses'" se vende perto da estação de trem em Vilnius, junto com figuras de soldados soviéticos e equipamento militar soviético, cita o portal Delfi o artigo da edição.

    "Pessoas corteses" é a denominação popular atribuída aos militares do Diretório Principal de Inteligência do Estado-Maior da Rússia (GRU), fuzileiros navais e tropas de desembarque — estes efetivos garantiram a segurança durante a realização do referendo na Crimeia. O termo surgiu porque os efetivos eram especialmente corteses e corretos com a população local. Lembramos que os habitantes da Crimeia, preocupados com as consequências do assim chamado Euromaidan (protestos violentos em toda a Ucrânia, que tiveram lugar entre 2013 e 2014 e resultaram na chegada de forças nacionalistas e pró-europeias ao poder), optaram por se separar da Ucrânia através de um referendo realizado em março de 2014. Mais de 96% dos habitantes da península apoiaram a sua reintegração na Rússia. O Ocidente chamou a votação de "anexação". Moscou declarou que o referendo foi realizado em plena conformidade com o direito internacional.

    O chefe do comitê parlamentar de defesa nacional e segurança, Vytautas Bakas, "tenho ouvido quais brinquedos são vendidos na livraria, ele respondeu com as palavras 'Oh, meu Deus!'", escreve Delfi.

    De acordo com o membro do parlamento Arvydas Anushauskas, "esses brinquedos de pessoas corteses" tendem a cultivar "desde tenra idade uma visão distorcida da agressividade chauvinista russa". Como disse o responsável oficial, estas não são figurinhas de coleção, mas brinquedos para crianças, e na Lituânia eles não podem ser vendidos.

    Alguns usuários de redes sociais querem saber se muitas pessoas "se atrevem a ir e exigir para não vender" tais brinquedos, escreve a Delfi.

    Anteriormente, The Guardian informou que as autoridades lituanas explicam aos cidadãos como resistir à "agressão russa", e nas escolas estão sendo realizadas aulas temáticas. Os funcionários publicaram folhetos informativos dedicados aos horrores da "ocupação".

    Como já foi mencionado pelo Ministério da Defesa russo, a ameaça real para a segurança na Europa não é a Rússia, mas o crescimento de armamentos e militares de origem "não-europeia". O general Igor Konashenkov relembrou sobre a construção na Polônia e na Romênia de componentes do sistema de defesa antimíssil norte-americano, bem como a instalação prevista na Letônia, Lituânia, Estônia e Polônia de unidades de combate das forças armadas da OTAN, "em que a parte principal consiste do exército dos EUA".

    Mais:

    Esquadrilha de 12 caças Su-30SM formada na Crimeia
    Moscou comenta declarações de assessor de Trump sobre Crimeia
    Tags:
    soldados russos, infantaria, militares, cortes, Ministério da Defesa (Rússia), The Guardian, OTAN, Igor Konashenkov, Vilnius, Lituânia, Romênia, Letônia, Estônia, Polônia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik