15:01 23 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    8231
    Nos siga no

    A Groenlândia, a maior ilha no mundo, que por centenas de anos tem feito parte do Reino da Dinamarca, tem aspirado a mais autonomia desde a Segunda Guerra Mundial. Agora, no meio de tensões entre as autoridades locais e as dinamarquesas, este sonho pode estar mais próximo da realidade.

    Recentemente, as autoridades groenlandesas têm estado muito indignadas com o fato de a Dinamarca ignorar a aspiração da Groenlândia a maior autonomia. O ministro das Relações Exteriores groenlandês, Vittus Qujaukitsoq, expressou a sua indignação e ameaçou com a saída do território da Comunidade Dinamarquesa se Nuuk não receber concessões do seu antigo dono colonial, informou o jornal dinamarquês Politiken.

    Geleiras da Groenlândia (Foto de arquivo)
    © AP Photo / Brennan Linsley
    O ataque de Qujaukitsoq foi influenciado pela recente discussão sobre acordos clandestino da Dinamarca com os EUA no passado. Desde 1943 os EUA têm usado a base aérea de Thule, no noroeste da Groenlândia, o que, segundo o diplomata da ilha, não trouxe nada de bom, mas somente miséria à Groenlândia. Ao mesmo tempo, a Dinamarca tem visto reforçada sua posição na OTAN à custa dos residentes da ilha.

    ''Durante 75 anos, a presença norte-americana não trouxe nada senão problemas, nada senão poluição ambiental e foi isso que provocou uma crise de confiança entre a Groenlândia e Dinamarca'', disse Qujaukitsoq.

    Em outubro, o governo groenlandês criou um novo departamento da independência e decidiu que os EUA e a Dinamarca devem renegociar o controverso acordo sobre a base de Thule. Qujaukitsoq se encontrou mesmo com o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, para lhe expressar diretamente sua posição.

    Mais cedo neste ano, especialistas afirmaram que o descongelamento de geleiras na Groenlândia provocará um grande desastre – a libertação de toneladas de agentes tóxicos da base nuclear construída clandestinamente pelos EUA durante a Guerra Fria. A situação é agravada ainda mais pelo fato de que agora não está claro quem é o responsável por tratar desta catástrofe. Parece que a Groenlândia terá de lidar com as consequências.

    Além disso, a ilha quer ter mais peso nas decisões referentes à sua indústria de pescaria.

    Ao mesmo tempo, o ministro das Relações Exteriores da Dinamarca, Anders Samuelsen, considerou as críticas de Qujaukitsoq como ''nem justas, nem construtivas''.

    A independência da Groenlândia significaria uma grande perda de territórios para a Dinamarca e minaria suas reclamações territoriais no Ártico. Em setembro, a Dinamarca e a Groenlândia apresentaram na ONU uma reivindicação conjunta da plataforma continental em redor da ilha.

    A Groenlândia, uma ilha com população de cerca de 55 mil habitantes, atingiu o direito de ter autoridades locais em 1979. Em 2008, o povo da ilha organizou um referendo para apoiar a ideia de mais autonomia. Em 2009, o groenlandês se tornou a única língua oficial da ilha, apesar de mais de 10% da população ser de origem dinamarquesa.

    Mais:

    Saga transatlântica: navio viking chega à baía de Nova York após viagem oceânica
    Cientistas descobrem causa do degelo das geleiras na Groenlândia
    Tags:
    base militar, autonomia, independência, ilha, Dinamarca, EUA, Groenlândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar