17:01 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Eleições na Romênia

    Esquerdistas do PSD vencem eleições parlamentares da Romênia

    © REUTERS/ Divulgação partidária
    Europa
    URL curta
    257942

    Partido é liderado por acusado de fraudar referendo nacional em 2012.

    Os social-democratas do PSD, partido de esquerda da Romênia, venceram as eleições parlamentares deste domingo.

    Pesquisas de boca de urna mostram uma vitória por uma larga vantagem, colocando-os à frente para formar coalização que os permita conquistar o cargo de primeiro-ministro.

    As pesquisas realizadas pelo CURS-Avangarde e pelo IRES mostraram que o PSD venceu cerca de 46% dos votos, seguido pelo Partido Liberal Nacional (PNL) de centro-direita, com cerca de 22%. O partido Save Romania Union, novato na política romena, teria levado 9,2%. O ALDE, liderado pelo ex-primeiro-ministro Calin Tariceanu aliado do PSD, deverá receber cerca de 6% dos votos.

    "Estou impressionado com o resultado, a Romênia é uma ilha de estabilidade na região, todos os elementos políticos devem compreender e respeitar a votação de hoje. Nos próximos dias, o PSD e o ALDE iniciarão discussões para formar uma nova Parlamento… A votação de hoje indica claramente a escolha dos romenos para um futuro governo", disse o líder do partido, o esquerdista Liviu Dragnea.

    Dragnea foi condenado por fraude eleitoral em abril por tentar fazer um referendo em 2012 e ser condenado a dois anos de prisão. Ele negou qualquer transgressão e, se os resultados das pesquisas se confirmarem, ele deve se tornar o novo primeiro-ministro do país.

    Mais:

    Destróier norte-americano descoberto na Romênia
    Mídia: EUA não confiam mais na Turquia e deslocam armas nucleares para a Romênia
    Rússia reagirá ao escudo antimísseis na Romênia, afirmou Vladimir Putin
    OTAN lança DAM na Romênia e diz que ‘não quer guerra fria’
    Tags:
    PNL, ALDE, IRES, CURS-Avangarde, PSD, Calin Tariceanu, Liviu Dragnea, Romênia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik