22:17 10 Dezembro 2016
Ouvir Rádio
    Navios tipo Mistral

    Notícia da venda dos navios Mistral à Rússia 'vem de fontes secretas' polonesas

    © AFP 2016/ JEAN-SEBASTIEN EVRARD
    Europa
    URL curta
    83503215

    As informações referentes à transação dos porta-helicópteros Mistral entre o Egito e a Rússia foram obtidas de umas 'fontes confidenciais', informou o Ministério da Defesa da Polônia em comunicado assinado pelo vice-ministro da Defesa Bartosz Kownacki.

    Em outubro, o ministro da Defesa polonês Antoni Macierewicz anunciou que o Egito vendeu os Mistral à Rússia pelo preço simbólico de um dólar.

    A mídia polonesa tinha dúvidas quanto a essa notícia e descobriu que informações semelhantes figuravam na mídia social em 2015.

    A informação sobre a compra e venda dos Mistral foi desmentida pela Embaixada do Egito em Moscou e pelo Ministério da Defesa da Rússia. Por seu turno, o porta-voz do presidente russo Dmitry Peskov qualificou de absurdos tais informações.

    O contrato para fornecimento de dois porta-helicópteros Mistral à Rússia, no valor de 1,2 bilhões de euros, foi firmado em 2011 pela empresa francesa DCNS/STX e a estatal russa Rosoboronexport.

    A Rússia devia ter recebido dois porta-helicópteros Mistral conforme o contrato assinado com a França em 2011. Entretanto, por causa dos acontecimentos na Ucrânia e das sanções contra a Rússia, o presidente François Hollande decidiu suspender o contrato e, em agosto de 2015, Moscou e Paris cancelaram o acordo.

    No final de setembro de 2015, Hollande assinou um acordo com o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi sobre a venda dos Mistral ao Egito.

    Mais:

    Análogo russo do Mistral começa a ser testado no mar Báltico
    Rússia constrói novo navio de assalto anfíbio para substituir Mistral
    Tags:
    porta-helicópteros, comunicado, entrega, acordo, contrato, venda, Mistral, DCNS, Rosoboronexport, Ministério da Defesa (Rússia), Abdel Fattah al-Sisi, Dmitry Peskov, Antoni Macierewicz, Vladimir Putin, François Hollande, França, Egito, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik

    Em foco