20:25 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    135
    Nos siga no

    Oskar Gröning era responsável por tomar e catalogar posses dos prisioneiros do campo de concentração mais brutal administrado pelos nazistas.

    Em uma decisão muito aguardada por juristas, justiça alemã confirmou a pena de quatro anos de prisão para Oskar Gröning, conhecido como "contador de Auschwitz" e condenado por cumplicidade no assassinato de 300 mil judeus. 

    Gröning, que tem 95 anos tinha apresentado recurso contra a condenação inicial, proclamada em julho do ano passado no Tribunal de Luneburgo, mas a corte Corte Federal de Karlsruhe negou o pedido de reconsideração. A Corte também recusou os recursos apresentados por vários demandantes que não concordavam com a primeira sentença.

    "Essa decisão afirma, finalmente, de forma clara que todos aqueles que participaram no processo de extermínio compartilham a responsabilidade e a culpabilidade", afirmou em um comunicado Christoph Heubner, do Comitê Internacional de Auschwitz.

    O Ministério Público da Alemanha deve agora checar se o estado de saúde de Gröning é compatível com a detenção. Pela idade avançada, porém, é pouco provável que ele cumpra a pena em regime fechado.

    Arrependimento

    Em abril do ano passado, durante uma audiência sobre seu caso, Gröning pediu perdão às vítimas, apesar de se mostrar impassível durante todo julgamento.

    "Para mim, não há dúvida alguma de que compartilho uma culpa moral. Peço perdão. Quanto à questão da responsabilidade penal, corresponde aos senhores decidir", afirmou, dirigindo-se aos juízes. 

    Em sua defesa, o ex-oficial alegava que pediu a transferência de Auschwitz em três ocasiões diferentes, mas teve os pedidos negados. Ele, porém, não apresentou nenhuma evidência das solicitações. Durante o julgamento, um historiador chamado para esclarecer a versão de acusado alegou que solicitações de transferência para o fronte costumavam ser sempre concedidas para oficiais fisicamente aptos como ele.

    Histórico

    Enquanto serviu ao regime de Hitler, Gröning contava e classificava o dinheiro tomado dos prisioneiros. Em algumas ocasiões, ele testemunhou os procedimentos de massacre no campo. Depois de ser transferido de Auschwitz para uma unidade de combate em outubro de 1944, Gröning foi capturado pelos britânicos em 10 de junho de 1945, quando sua unidade se rendeu.

    Ele foi transferido para a Grã-Bretanha como prisioneiro de guerra e trabalhou forçosamente até voltar para a Alemanha e tentar levar uma vida simples. Em 1985, porém, ele tornou sua atividade para o regime nazista pública para criticar os que negavam a existência do holocausto.

    Mais:

    Deputados do Parlamento Europeu foram suspensos e multados por apologia ao nazismo
    Mídia: na Alemanha foi descoberta coleção de cérebros de vítimas do nazismo
    Tudo vale a pena: projeto da resolução russo contra nazismo será considerado na ONU
    Historiador: memória é uma arma que deve impedir volta do nazismo
    Tags:
    Nazismo, Comitê Internacional de Auschwitz, Tribunal de Luneburgo, Corte Federal de Karlsruhe, Christoph Heubner, Oskar Gröning, Auschwitz, Alemanha, Luneburgo, Karlsruhe
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar