18:43 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Primárias decidem candidato conservador na França

    Urnas fechadas na França e país à espera do resultado das primárias da Direita

    © REUTERS/ Eric Gaillard
    Europa
    URL curta
    0 21901

    François Fillon é favorito, mas disputa cargo com Alain Juppé, que defende ideias mais moderadas.

    A direita francesa elege neste domingo seu candidato à eleição presidencial de 2017, na realização das primeiras primárias de sua história.

    O ex-primeiro ministro François Fillon, que promete reformas econômicas liberais, é o grande favorito e enfrenta o também ex-primeiro ministro Alain Juppé que defende um programa mais moderado. Os dois tiraram outro grande favorito da disputa, o ex-presidente francês, Nicolas Sarkozy.

    Mais de 10.000 centros eleitorais abriram suas portas às 8h, pelo horário local (5h de Brasília) e fecharam às 19h (16h de Brasília). Os primeiros resultados devem começar a sair a partir das 20h30 (17h30 de Brasília), de acordo com a agência de notícias AFP.

    Fillon, que foi primeiro-ministro do ex-presidente Nicolas Sarkozy entre 2007-2012, promete eliminar 500.000 empregos públicos e  cortar 110 bilhões de euros em gastos públicos para "salvar" a economia francesa. O adversário Juppé, também ex-ministro de Sarkozy acusa o programa de Fillon de "brutalidade". Ele promete corte estrutural do orçamento entre 85 e 100 bilhões de euros em 5 anos.

    Quem ganhar disputa o cargo com o atual presidente, François Hollande e a candidata de extrema direita, Marine Le Pen.

    Mais:

    Candidato à presidente da França defende aliança com a Rússia para ajudar Assad
    'Parece que a França copia e cola a política externa dos EUA em relação à Rússia'
    Com Le Pen, França reconhecerá Crimeia como parte da Rússia
    França exorta Rússia a promover solução política na Síria após relatos de ataques químicos
    Tags:
    AFP, Alain Juppé, François Fillon, Nicolas Sarkozy, Marine Le Pen, François Hollande, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik