00:28 28 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    253
    Nos siga no

    A organização islâmica "A Religião Verdadeira" foi alvo de uma grande operação policial na Alemanha na terça-feira (15) e acabou sendo oficialmente banida pelo governo alemão por acusação de propagar radicalismo no país europeu.

    O Ministério do Interior da Alemanha declarou que o grupo "glorifica o assassinato e o terrorismo" e serve de fachada para o recrutamento de jovens para o grupo extremista Daesh (Estado Islâmico – proibido na Rússia e em diversos países).

    Símbolos do Daesh
    © AP Photo / Emrah Gurel
    Vale destacar que, na prática, a atividade da "A Religião Verdadeira" na Alemanha têm se restringido, até o momento, à mera distribuição gratuita de exemplares do Alcorão em zonas de pedestres. Campanhas semelhantes, no entanto, já foram realizadas pelo grupo em outros 14 países, incluindo o Brasil.

    Para entender melhor a posição de Berlim diante da crescente ameaça do terror islâmico na Alemanha, a Sputnik conversou com o especialista em política interna e membro do Bundestag (parlamento alemão) pelo partido União Democrata-Cristã, Wolfgang Bosbach.

    "De todo o espectro islâmico, as vertentes salafistas são as que defendem uma postura claramente contrária à estrutura social livre e democrática na Alemanha. Não são apenas as próprias convicções religiosas que são importantes para esses ativistas, o mais grave é que eles colocam a palavra, as revelações e os feitos do profeta acima da lei secular. É justamente com essa postura que um Estado de direito não pode concordar" – começou explicando Bosbach.

    Para Bosbach, o argumento de que a perseguição ao grupo extremista "A Religião Verdadeira" poderá resultar somente na sua clandestinidade não é válido: "Nesse caso seria melhor simplesmente descartar a possibilidade da proibição desse grupo. (…) Se existem fundamentos legais para a sua proibição, por que não usar tal oportunidade para destruir a estrutura dessa organização, para confiscar seus bens? Se o Estado não fizer nada, o grupo poderá continuar expandindo suas atividades com todos os recursos legítimos e organizacionais".

    Leia também: Cinco métodos russos de combater o terrorismo doméstico que a Europa poderia aprender

    Policiais de Alemanha
    © AFP 2020 / Frederik von Erichsen
    O político explicou ainda que a atividade da "A Religião Verdadeira" não foi proibida na Alemanha somente por causa da distribuição gratuita do Alcorão. "A pergunta que fica, é se outras atividades contrárias às leis do nosso país estariam sendo promovidas em paralelo a isso. Antes de tudo, isso diz respeito, obviamente, ao recrutamento de soldados islâmicos, bem como à propaganda do Estado Islâmico, à coleta de fundos para militantes islâmicos e assim por diante" – disse.

    "Qualquer pessoa ligada ao movimento salafista é capaz de aderir ao uso de força, ou ao menos defende tal prática" – alerta o político alemão.

    Respondendo à pergunta sobre se o perigo não residiria nos próprios salafistas, mas sim em certas vertentes no interior do salafismo, Bosbach concluiu: "Não afirmaria isso. A própria "herança ideológica" dos salafistas traz em si uma ameaça em potencial, já que representa uma afronta à democracia moderna".

    Tags:
    entrevista, movimento salafista, salafistas, Wolfgang Bosbach, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar