11:16 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados ucranianos perto de um tanque nas posições perto da cidade de Mariupol, em Donbass

    Investigadores russos acusam 4 comandantes da Ucrânia de bombardear civis

    © AP Photo/ Vadim Ghirda
    Europa
    URL curta
    222

    O Comitê de Investigação russo acusou in absentia quatro comandantes das Forças Armadas ucranianas do bombardeio de civis na Ucrânia oriental, disse a porta-voz do comitê na segunda-feira (14).

    Os comandantes da 44ª Brigada de Artilharia e do Comando Operacional do Sul, o coronel Oleg Lisovom e o major-general Andrei Grisсhenko, foram acusados de usar meios proibidos e métodos bélicos ilícitos. 

    "Como parte da investigação de casos criminais, foram feitas acusações in absentia contra os comandantes da 92ª Brigada Mecanizada, o coronel Viktor Nikolyuk, e da 72ª Brigada Mecanizada de Kiev, o coronel Andrei Sokolov", disse ainda Svetlana Petrenko.

    Kiev lançou uma operação militar em Donbass em abril de 2014, depois que os moradores locais se recusaram a reconhecer as novas autoridades ucranianas, que chegaram ao poder como resultado de um golpe patrocinado pelo Ocidente.

    Em fevereiro de 2015, as autoridades de Kiev e partidários da independência de Donbass assinaram um acordo de paz em Minsk. O acordo estipula um cessar-fogo completo, retirada de armas da linha de contato no leste da Ucrânia, bem como reformas constitucionais que dariam um estatuto especial às repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk. Apesar do acordo, o regime de cessar-fogo é regularmente violado, com as duas partes acusando-se mutuamente de violações múltiplas, prejudicando os termos do acordo.

    Mais:

    Forças de Segurança da Ucrânia ativaram reconhecimento aéreo, diz Donetsk
    Presidente da Ucrânia está convencido que Kiev retomará Crimeia e Donbass
    Ucrânia concederá corredor verde para retirar tropas russas da Transnístria
    Tags:
    ucranianos, militantes, Kiev, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik