08:13 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Protestos anti-Trump e antirracismo em Londres

    Revolução televisionada de Trump: protestos antirracistas estrondam em Londres

    © Sputnik / Vin Sharma
    Europa
    URL curta
    12010
    Nos siga no

    Centenas de manifestantes de movimento antirracismo se reuniram em frente à Embaixada dos EUA em Londres, no Reino Unido, na noite após a vitória do magnata na esfera imobiliária e de entretenimento, Donald Trump, nas presidenciais norte-americanas.

    Em ação política organizada pelo grupo ativista britânico ‘Luta contra Racismo’, os oradores presentes pormenorizaram que o protesto tinha como objetivo o confronto direto à retórica negativa de Trump, usada de forma ativa durante sua corrida acirrada contra Hillary Clinton.

    'Agora, estamos sem rumo. Sabemos que o caminho adiante consiste no multiculturalismo’

    ​"É vital que as pessoas unam e se oponham à política que Donald Trump está apoiando. A política de racismo e divisão que ele apresentou ao longo de toda a campanha eleitoral. Devemos nos alinhar às tradições do Movimento dos Direitos Civis inspirado por Martin Luther King e reiniciar a luta contra o racismo. No Reino Unido, o novo movimento antirracista está se recuperando, e, agora, é importante nos ouçam”, disse à Sputnik o cofundador do movimento, Weyman Bennet.

    Após a divulgação dos resultados das eleições norte-americanas, o grupo criou um evento especial no Facebook para promover uma manifestação na Praça Mayfair's Grosvenor na mesma noite. Compareceram centenas de pessoas, tanto habitantes de Londres como de locais mais distantes, tais como do Norte do país. Todos unidos pela mesma causa: manifestar descontentamento à vitória do republicano.

    "Alguns dos meus amigos não conseguiram vir, pois não puderam arcar com a viagem de trem de Liverpool até Londres, que eu fiz. Eu precisava estar aqui para manifestar meu apoio no protesto contra tal tipo de racismo, misoginia e ódio que Trump representa. O fato de ele ter conseguido ganhar e se caso ele se torne o próximo presidente dos EUA, significa um dos cenários: ou ele conseguiu enganar todo o mundo, ou Hillary Clinton é odiada pela população”, comunicou à Sputnik um dos manifestantes.

    Os participantes falaram de como Trump usa em seu discurso o temor e preconceito contra as minorias, visando ganhar terreno no eleitorado. O magnata também foi acusado de ter abordado questões cruciais para os eleitores com tom altamente manipulador para receber votos.  

    Protestos anti-Trump e antirracismo em Londres
    © Sputnik / Vin Sharma
    Protestos anti-Trump e antirracismo em Londres

    O recém eleito líder é conhecido por ter prometido adotar planos inéditos sobre imigração, inclusive a construção de um muro na fronteira entre os EUA e o México, e de ter feito declarações extremamente ofensivas. Ele disse, em particular, que ‘preguiça é coisa dos pretos’ e descreveu os imigrantes mexicanos como ‘criminosos’ e ‘estupradores’ e não deu atenção ao fato de um ativista do movimento ‘Black Lives Matter’ (‘A vida dos negros importa’) ter sido agredido durante uma das suas reuniões com os eleitores. 

    "O povo norte-americano está farto", disse um dos manifestantes, que veio do leste de Londres para participar do evento.

    "É evidente que eles estão cansados da situação atual e fartos com políticos que não dizem o que querem dizer ou não desempenham um bom trabalho para a sociedade. Eis a única razão que, em minha opinião, contribuiu para a vitória de Trump. Mas se o Reino Unido já chegou ao Brexit, que foi apoiado pelos simpatizantes de Nigel Farage, tudo pode acontecer.”

    Durante o protesto, houve um inesperado desabafo público de um manifestante que se apresentou como apoiante da Liga da Defesa Inglesa, organização política de extrema direita com sede no Reino Unido.

    "Sim, sou apoiante da EDL (English Defence Leage, em inglês) e viajei de Leamington Spa até aqui para dizer que nós não saudamos a chegada dos refugiados ao nosso país, já que eles são criminosos pedindo esmola", comunicou ele em voz alta aos repórteres e manifestantes da ação antirracista.

    "Durante a manifestação #LutaContraRacismo do lado de fora da #Embaixada dos EUA em #Londres & apoiante da EDL desfrutou do seu direito de expressão pra falar de #Trump – Não acredito em ódio!"

    ​Antes de ter sido detido pela polícia, resistindo ferozmente, ele gritou: “A vida dos brancos também importa!”.

    Os oradores do grupo ‘Luta Contra Racismo’ destacaram a importância de dar uma resposta contínua e coletiva contra a vitória de Trump. Espera-se que sejam organizadas outras manifestações em Londres durante os próximos meses. Os participantes entoaram tais lemas como ‘A vida dos negros importa’, ‘Luta contra racismo’ e, em especial e ao mesmo tempo, todos gritaram ‘Dizemos não a Trump!’.

    Protestos anti-Trump e antirracismo em Londres em 10 de novembro
    © Sputnik / Vin Sharma
    Protestos anti-Trump e antirracismo em Londres em 10 de novembro

    Embora Trump tenha ganhado as eleições aparentemente legítimas e democráticas e logo ocupe o cargo de 45° presidente norte-americano, é provável que ele enfrente uma resposta crítica global nos primeiros meses do seu mandato e, dependentemente dos passos que ele tome durante seus primeiros meses de mandato, ele poderá enfrentar momentos perturbadores.

    Mais:

    Invasão de manequins: Rússia responde a ação de protesto provocadora em Londres
    Tiroteio deixa feridos durante protesto contra Trump em Seattle
    'O Partido Republicano terá de se adequar ao estilo Donald Trump'
    Tags:
    presidente, protesto, racismo, manifestação, direitos humanos, eleições nos EUA, English Defence League, Donald Trump, Nigel Farage, Londres, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar