13:03 11 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Caças alemães Tornado na base áerea de Incirlik, Turquia, janeiro de 2016

    Turquia bloqueia projetos de construção alemães na base aérea de Incirlik

    © AFP 2017/ TOBIAS SCHWARZ / POOL
    Europa
    URL curta
    7141

    As autoridades turcas até agora ainda não deram autorização para as obras de reconstrução das infraestruturas alemãs na base aérea de Incirlik, sul da Turquia, informou a mídia alemã nesta sexta-feira (4).

    Berlim planeja gastar cerca de $ 64 milhões na reconstrução de suas instalações na base militar turca onde estão posicionadas tropas alemãs. O projeto inclui a construção de um aeródromo para os jatos alemães Tornado, a criação de um centro de comando móvel, etc.

    De acordo com o jornal Die Welt, a Alemanha esperava iniciar as atividades de construção no início de 2016. No entanto, a Turquia ainda não assinou os documentos necessários para o início do processo. 

    A permissão ainda não foi assinada, já que o lado turco estava envolvido nos "procedimentos necessários para a aprovação final", disse o governo alemão em resposta a um pedido parlamentar sobre o assunto, escreve a edição. 

    As relações germano-turcas deterioraram-se quando o parlamento alemão aprovou uma resolução que reconhece como genocídio o massacre dos armênios, realizado em 1915 e 1916, pelo Império Otomano. Segundo a versão oficial turca, eles foram vítimas da Primeira Guerra Mundial.

    Na Base Aérea Incirlik estão colocados seis jatos alemães de reconhecimento Tornado, bem como jatos dos Estados Unidos, Reino Unido, Arábia Saudita e Qatar que participam da coalizão liderada pelos EUA contra o grupo jihadista Daesh, que está proibido em muitos países, incluindo Rússia e Estados Unidos.

    Mais:

    Pressão de Erdogan sobre Obama: uma base aérea pela extradição do clérigo Gulen
    Turcos não consideram EUA como parceiro do seu país
    Alemanha desmente retirada dos soldados da base Incirlik
    Tags:
    Incirlik, Turquia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik