11:09 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados dos Exércitos da Sérvia e Montenegro monitoram a fronteira entre a Sérvia e Kosovo (foto de arquivo)

    Corrida armamentista nos Bálcãs está ao rubro

    © AFP 2019 /
    Europa
    URL curta
    3112
    Nos siga no

    A retórica de certos políticos, antes e depois do referendo na República Sérvia, se pareceu muito com uma histeria pré-guerra. Alguns diziam que a República desaparecerá do mapa e há muitos na Bósnia que estão prestes a pegar armas.

    Entretanto, o analista do jornal sérvio Politika, Miroslav Lazanski, considera que este cenário se irá realizar.

    Segundo ele, o Exército da Bósnia e Herzegovina, com 10,5 mil efetivos e composto de sérvios, croatas e bósnios, tem um comando multiétnico, o que previne que ele seja usado contra uma das entidades. A ameaça podia ser associada aos elementos radicais, mas é pouco provável que eles estejam interessados em tal reputação que pode levar à sua deportação da Bósnia e Herzegovina. Além disso, destacou Lazanski, a República Sérvia tem todas as capacidades para se defender de uma agressão.

    "Não creio que tais incidentes tenham lugar na Bósnia. As declarações violentas foram feitas porque os sérvios nem sequer realizaram um referendo. Além disso, o Exército da Bósnia e Herzegovina empobreceu e não tem capacidade de ataque", destacou o especialista.

    Receios adicionais são provocados pela modernização das Forças Armadas da Croácia e da Sérvia, o que já foi chamado por alguns analistas de "corrida armamentista balcânica". A Croácia recebeu dos EUA 16 helicópteros Bell OH-58 Kiowa de forma gratuita e deve receber sistemas de fogo reativo. Também surgiu uma informação sobre planos para comprar mísseis balísticos com alcance superior a 300 km. A Sérvia também está modernizando seu Exército – ela planeja comprar aviões. Mas não tem dinheiro para obter sistemas russos S-300.

    Segundo disse Lazanski, a Sérvia possui o Exército mais poderoso na região – tem 33 mil efetivos, 212 tanques, mais de 360 veículos de combate e cerca de 80 aviões.

    Na opinião do especialista, a demonstração de força croata foi um ato para atrair eleitores às vésperas de eleições parlamentares e nada mais.

    A Croácia tem 16,5 mil militares, 75 tanques, 118 veículos de combate e nove aviões. Entretanto, o especialista destaca que, segundo os seus dados, ela não possui mais de três aviões operacionais.

    Assim, a Sérvia, a Croácia e a Bósnia (19 aviões e 45 tanques) são os países mais fortes na região.

    Outros países têm um potencial menor – a Eslovênia tem 7,6 mil soldados, 14 tanques e 9 aviões, Macedônia possui 8 mil efetivos, 31 tanques e nenhum avião, o Montenegro tem 2,1 mil soldados, nenhum tanque, 4 aviões inoperacionais, 8 veículos de combate, 4 navios de combate e alguns navios de abastecimento.

    Há que lembrar que o Exército do Kosovo também se está formando. Está planejado que até 2019 seja organizado e armado segunda os padrões da OTAN. Neste momento possui 2,5 mil soldados.

    Em geral, segundo Lazanski, os exércitos dos países da antiga Iugoslávia são pobres e têm o que resta desse antigo Estado.

    Mais:

    Pokémon No-Go: jogadores arriscam a vida em campos de minas na Bósnia
    Bósnia: Polícia captura seis ex-soldados suspeitos de crimes de guerra
    'Se você não obedecer, os EUA vão te julgar como os sérvios'
    Tags:
    equipamento militar, exército, modernização, corrida armamentista, armas, Bósnia e Herzegovina, Balcãs, República Sérvia, Sérvia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar