18:16 21 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Artilharia do exército saudita perto da fronteira com o Iêmen

    Que fazer com Noruega? País continua vendendo armas a países beligerantes

    © AFP 2018/ FAYEZ NURELDINE
    Europa
    URL curta
    18112

    Apesar de sua imagem de país pacífico, a Noruega faz a maior parte de suas exportações de armas para países em conflito.

    Neste momento, a questão mais destacada são as vendas de armas à coalizão liderada pela Arábia Saudita que participa da guerra no Iêmen.

    Uma rede de 50 organizações norueguesas, incluindo a Save the Children (Salve as Crianças), o Conselho Cristão da Noruega, a Cruz Vermelha da Noruega e a Associação de Paz norueguesa, exigiram uma investigação completa à venda de armas de Oslo para os países envolvidos na guerra civil do Iêmen.

    Sua demanda foi apoiada pelo Partido da Esquerda Liberal, cujo porta-voz Bard Vegar Solhjell também apelou a uma paragem completa da venda de armas para a Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Kuwait e Egito, a todos os que estão bombardeando o Iêmen.

    "Eu não vejo nenhuma razão para que a Noruega deva continuar realizando suas exportações de armas para alguns dos países que estão em guerra. A guerra no Iêmen é muito brutal, com violações documentadas do direito humanitário internacional identificadas pela ONU e outras organizações", disse Bard Vegar Solhjell ao jornal norueguês Dagbladet.

    Ao mesmo tempo, as regras de controle de exportações da Noruega "não permitem a venda de armas e munições para áreas onde haja guerras em curso ou ameaças de guerra, ou para países onde esteja em curso uma guerra civil".

    Anteriormente, a Noruega parou suas vendas de armas a Israel e à Colômbia, bem como ao Egito e Bahrein durante a Primavera Árabe.

    "A venda de armas aos países envolvidos na guerra iemenita, pelo contrário, se está tornando uma tradição norueguesa", ironiza Solhjell.

    De acordo com Solhjell, a coalizão liderada pela Arábia Saudita realizou inúmeras violações do direito internacional, e há um risco que armas norueguesas, ou outro equipamento militar, direta ou indiretamente contribuam para mais violações do direito internacional.

    "O perigo de equipamento militar norueguês ser usado na guerra no Iêmen contra civis é muito real. O problema é que as autoridades norueguesas não vão dar informações precisas sobre o que exatamente foi vendido e, portanto, é impossível discutir o que está realmente acontecendo", disse o conselheiro do escritório norueguês da Anistia Internacional Gerald Folkvord ao Dagbladet no início deste ano.

    Desde 2014, o Iêmen vem sofrendo com um conflito armado entre os rebeldes houthis do movimento xiita Ansar Allah, que contam com suporte de militares partidários do ex-presidente Ali Abdullah Saleh, e as tropas do atual presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi.

    Mais:

    Noruega explora com a Rússia recursos do Ártico apesar das sanções
    Na contramão da OPEP, Noruega não quer congelar produção de petróleo
    Na Noruega 323 renas morreram simultaneamente em circunstâncias estranhas
    Tags:
    ameaça, venda de armas, guerra, Egito, Emirados Árabes, Noruega, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik