22:36 22 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1729
    Nos siga no

    A imigração em massa de muçulmanos acelera o reforço do Islã na Alemanha, onde as lojas que vendem burquínis estão frequentemente ligadas aos salafitas locais. Além disso, uma loja em Berlim está abertamente vendendo joias com emblemas do Daesh.

    Há uma loja em Berlim que vende abertamente produtos com os símbolos e emblemas do Daesh, eles imitam a bandeira do Daesh nos seus produtos, segundo disse o especialista em Islã Abdel Hakim Ourghi à Sputnik Alemanha.

    "É evidente que a estrutura da propaganda salafita consiste em todas essas coisas. Estas lojas vendem mercadorias com símbolos extremistas, com inscrições e cores dos terroristas. Uma dessas lojas fica na rua Flughafenstrasse, no bairro de Neukolln (Berlim). Aí se pode comprar um anel preto com a imagem do Daesh. Será que é propaganda do extremismo islâmico?", disse o interlocutor da agência. 

    O que é mais preocupante, é que esta loja fica perto duma mesquita, o que é perigoso devido às tentativas de recrutamento de jovens muçulmanos que já estão integrados na sociedade alemã.

    O analista sublinha que a loja vende nicabes para crianças de dois anos e, além disso, bonecas vestidas com nicabes.

    "Isso não será uma manipulação política e salafita das crianças para concorrer com os valores ocidentais? (…) Não estaremos assistindo à criação de uma sociedade paralela?", pergunta Ourghi.  

    Muitos analistas já advertiram sobre a islamização na Alemanha. Há muitas pessoas que estão considerando o Islã como uma ameaça para a sociedade alemã e acreditam que Islã é incompatível com os padrões da sociedade ocidental.

    Analistas estimam que a radicalização na Alemanha surge por causa da propaganda eficaz das comunidades de salafitas, em particular nas redes sociais.

    Mais:

    Inteligência dos EUA: Daesh tem células ativas no Reino Unido, na Alemanha e na Itália
    Daesh está planejando ataques terroristas contra a Alemanha
    Tags:
    símbolo, radicalismo islâmico, islamização, loja, mercadorias, salafistas, analista, islã, propaganda, Daesh, Berlim, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar