14:48 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    121
    Nos siga no

    Equipes ferroviárias alemãs são atacadas com cada vez mais frequência. Como medida preventiva, os condutores de trem serão equipados com sprays de gás pimenta, alarmes e mesmo com cassetetes.

    Esta notícia foi divulgada pelo site tagesschau.de na sexta-feira (16). De acordo com o site, os funcionários das ferrovias alemãs foram atacados mais de 1.100 vezes apenas no primeiro semestre de 2016, um aumento de 28% em relação ao mesmo período do ano passado.

    "Os ataques contra nossos funcionários devem parar. Não podemos lidar mais com pessoas loucas", declarou o chefe de segurança da empresa ferroviária Deutsche Bahn, Hans-Hilmar Rischke.

    Segundo este responsável, a empresa pretende aumentar o número de seguranças em seus trens, armados com sprays de gás pimenta contra vândalos e cães de guarda. Serão usados sistemas inteligentes de vigilância de vídeo, que podem reconhecer bagagem abandonada, a identidade de pessoas ou possíveis batedores de carteiras. Também serão testadas câmeras usadas pelos funcionários, as chamadas Bodycams.

    "Os resultados iniciais mostram que o número de ataques diminui significativamente se o potencial infrator sabe que vai ser gravado", assinalou Rischke.

    Cada funcionário que tem contato com passageiros deve ser treinado para situações perigosas. Boa forma física e elementos de artes marciais são elementos-chave do treinamento das forças de segurança ferroviária. 

    "Qualquer ataque já é demais", cita o tagesschau.de o vice-presidente da empresa Klaus-Dieter Hommel. "Ninguém deve insultar, cuspir, apalpar, assediar ou até mesmo atacar fisicamente as pessoas", disse Hommel.

    Mais:

    Relatório secreto do Governo alemão: nível da ameaça terrorista cresce na Alemanha
    Alemanha envia 650 soldados para combater tráfico de armas do Daesh no Mediterrâneo
    Alemanha alerta sobre jihadistas a caminho da Europa
    Tags:
    Alemanha, Deutsche Bahn AG, violência, ferrovias
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar