11:02 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Roma, Itália

    Itália é laboratório militar de EUA e OTAN

    © Sputnik / Alexander Vilf
    Europa
    URL curta
    2016

    Nos últimos tempos a Itália se tornou objeto de colonização militar.

    No território do país há mais de cem bases da OTAN e dos EUA, onde os americanos frequentemente e com à vontade fazem o que querem. A Itália se tornou um armazém de armamentos estrangeiros, incluindo bombas nucleares e um verdadeiro laboratório militar dos EUA e da OTAN.

    Os italianos não sabem o que está acontecendo nestas bases. Ninguém mesmo tem certeza sobre a quantidade de bombas nucleares – são de 60 a 90 peças, segundo vários dados. Quem necessita das bases da OTAN e dos EUA na Itália? Quais são os riscos para a Itália? A Sputnik Itália entrevistou Antonio Mazzeo, jornalista e especialista em tecnologia militar que há muito tem estudado o tema de militarização da Itália.

    Segundo dados não confirmados, agora no território da Itália, nas bases militares de Aviano e Ghedi na comuna de Brescia, existem de 60 a 90 bombas nucleares, e o número continua crescendo.

    Antonio Mazzeo disse que a presença de bombas nucleares na Itália viola o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares que foi assinalado pelo governo italiano.

    Respondendo à pergunta sobre a pertinência das bases, o especialista disse que a Itália pode visitar apenas as bases que estão sob controle da OTAN, mas não as que estão sob controle dos EUA. Além disso, a Força Aérea dos EUA usa frequentemente as bases italianas para dispor a sua aviação (principalmente aviões-espiões).

    Apesar da gravidade da situação e do fato de muitas bases italianas serem usadas para operações militares no Oriente Médio e África, a reação da população, e até mesmo a consciência do que se passa é mínima. A mídia também não fala sobre o que está acontecendo, assim, não é surpreendente que as pessoas saibam pouco sobre tudo isso, disse Mazzeo.

    Segundo ele, a OTAN nunca foi uma estrutura defensiva. O especialista destacou que o maior perigo para a Itália é haver uma Aliança cada vez mais agressiva, uma Aliança Atlântica imperialista, cujos interesses são contrários aos interesses econômicos, políticos e militares da própria Itália. Neste caso, a presença da OTAN vai afetar a política interna e externa italiana, bem como a situação social no país.

    Mais:

    OTAN conta com apoio das forças locais no combate ao Daesh
    OTAN reforça sua presença na Turquia
    OTAN: 'Turquia forte é essencial para a segurança da Europa'
    Tags:
    bases militares, presença militar, arma nuclear, bombas, OTAN, EUA, Itália, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar