14:21 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira da Finlândia

    Finlândia desconfia da Rússia e tenta se aproximar ainda mais da OTAN

    © flickr.com/ CGP Grey
    Europa
    URL curta
    14114
    Nos siga no

    Um novo comunicado finlandês mostra que a Finlândia vê a Rússia como ameaça.

    Segundo o documento, a Finlândia terá que intensificar seus laços com os países ocidentais, mantendo a possibilidade de aderir à OTAN para poder responder à alegada ameaça russa.

    De acordo com o jornal finlandês Hufvudstadsbladet, o Instituto das Relações Exteriores da Finlândia afirma que o país "tem que tomar cuidado com a política externa russa".

    Especialistas finlandeses na área de segurança advertem contra a politização crescente da política energética de Moscou e contra a sua "política externa assustadora e agressiva". Segundo o comunicado, "os atores externos acham cada vez mais difícil influenciar as políticas da Rússia e sua lógica em termos empresariais".

    Pesquisadores finlandeses, perante a alegada "agressividade" da Rússia, recomendam reforçar a cooperação com os parceiros ocidentais "em todos os níveis", estimular as capacidades da Finlândia na área da defesa, discutir de maneira aberta a política de segurança e manter a possibilidade de apelar para adesão à OTAN.

    Segundo o comunicado, a usina nuclear em Pyhajoki e o gasoduto Corrente do Norte 2 são projetos nos quais a Rússia aproveita a dependência de outros países em termos de recursos naturais e energia, como parte da sua política externa.

    Embora vários políticos altamente colocados, inclusive o presidente finlandês Sauli Niinisto, o ex-ministro de defesa Carl Haglund, entre outros, tenham reiterado em diversas ocasiões que a Rússia não representa ameaça alguma à Finlândia, desde 2014 o Instituto das Relações Exteriores da Finlândia têm colocado ênfase especial na suposta imprevisibilidade e hostilidade da Rússia.

    Foi recomendado a várias empresas finlandesas não investir na economia russa, enquanto os políticos do país aconselharam a não realizar contatos bilaterais com a Rússia sem o aval da UE.

    Na Finlândia, país que possui 1,3 mil quilómetros de fronteira com a Rússia, a proximidade do vizinho "cada vez mais perigoso" é frequentemente usada como pretexto para integrar a aliança militar.

    Infelizmente, o agravamento das relações bilaterais entre os dois países se refletiu negativamente nos seus laços econômicos, que sempre foram fortes. No momento a Finlândia está enfrentando desafios na área econômica, perante as sanções antirussas impostas pela UE. Foi registrada uma queda grave no comércio e turismo, áreas que retrocederam em mais de 30%.

    Mais:

    Finlândia defende sanções contra a Rússia até resolução da crise ucraniana
    Tags:
    politização, hostilidade, aliança militar, ameaça, União Europeia, OTAN, Sauli Niinistö, Finlândia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar