01:12 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Cidade de Stepanakert, na autoproclamada República de Nagorno-Karabakh

    Cerca de 4.500 pessoas desapareceram em Nagorno-Karabakh, Armênia e Azerbaijão desde 1992

    © Sputnik/ Ilya Pitalev
    Europa
    URL curta
    0 434 0 0

    Aproximadamente 4.500 pessoas desapareceram em Nagorno-Karabakh, Armênia e Azerbaijão nos últimos 15 anos, segundo informou a titular do programa para comunicações da delegação da Cruz Vermelha de Yerevan, Zara Amatuni.

    "Essas cifras se baseiam unicamente nas denúncias das famílias dessas pessoas. Em cada cifra há uma história, um destino, uma dor, uma memória. As pessoas estão desaparecidas e não há notícias. Para seus familiares, eles ainda estão vivos", disse Amatuni, citada pelo portal News.am.

    De acordo com a funcionária da Cruz Vermelha, a sua organização cuida todo ano de dar uma atenção especial a esse problema, considerado de grande prioridade.

    "No conflito de Nagorno-Karabakh, esse problema não é uma exceção. A Cruz Vermelha está trabalhando com todas as partes do conflito e temos recolhido dados baseados nos contatos com as famílias. A comissão correspondente, em três partes, tem uma lista de pessoas desaparecidas", acrescentou. 

    O conflito na república Nagorno-Karabakh, que divide Armênia e Azerbaijão desde 1988, experimentou no início de abril uma nova escalada, depois de mais de duas décadas de paz. Desde o dia 5 daquele mês, está em vigor na região um novo cessar-fogo, mas ambos os lados se acusam regularmente de violações da trégua. 

    Mais:

    Armênia contabiliza 92 baixas em Nagorno-Karabakh
    Cessar-fogo em Nagorno-Karabakh está sendo respeitado de modo geral
    Rússia e França vão unir esforços para solucionar conflito em Nagorno-Karabakh
    Turquia fomenta o conflito em Nagorno-Karabakh
    Combates ativos ocorrem na linha de contato em Nagorno-Karabakh
    Nova escalada de conflito em Nagorno-Karabakh: já há primeiras mortes
    Tags:
    News.am, Cruz Vermelha, Zara Amatuni, Yerevan, Azerbaijão, Armênia, Nagorno-Karabakh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik